segunda-feira, 30 de novembro de 2009

domingo, 22 de novembro de 2009

As hortênsias da São

Quando se ama não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer dentro de nós.
Clarice Lispector

Há vários motivos para não se amar uma pessoa e um só para amá-la.
Carlos Drummond de Andrade

A amizade é um amor que nunca morre.
Mário Quintana

domingo, 15 de novembro de 2009

Ele não desiste!

O entrevistado de hoje já perguntou quem o define, mas resolveu deixar claro que está sempre jogando limpo, Ricardo ou melhor Râzi é um pai presente que tem suas neuras como todo mundo mas não deixa de acreditar no ser humano.

Serginho Tavares: Então, como surgiu a ideia de fazer um blog?
Râzi: Foi algo sem querer. Um rapaz que eu conhecia me mandou o endereço de um blog de humor. Muita gente conhece o Sarajane Fotonovelas. Gostei tanto que quis saber mais sobre quem o fazia. Um deles, o Gleison, ou melhor, Creiço, que por sinal é seu amigo, tinha um blog. Gongados era o nome. Passei a ler e, com o tempo, tive vontade de ter o meu. Foi assim.
Serginho Tavares: Você sempre falou da sua vida, mas sem se expor, o que acha desta exposição gratuita que vemos hoje em dia?
Râzi: Acho que é uma opção de cada um. Tem gente que sente a necessidade de visibilidade, seja a que custo for. Respeito os meninos que gostam de trepar e colocar suas fotos, do ato, em seus veículos internéticos, mas para mim, não rola! E nem poderia! [risos]
Serginho Tavares: E a blogosfera te possibilitou o que durante esses anos?
Râzi: Não há mal que sempre dure e nem bem que nunca acabe. Coisas excelentes, como amizades que tenho até hoje, mesmo estando afastado dos meus blogs. Mas como nada é perfeito, também me trouxe algumas decepções. Mas não fico triste com isso. Acho que tudo faz parte da vida. E sempre fazer o balanço olhando o lado positivo.
Serginho Tavares: O motivo do seu afastamento da blogosfera foram estas decepções?
Râzi: Não! Nem de longe! Seria dar muito crédito à essas coisas! Me afastei por questões profissionais, falta de tempo.
Serginho Tavares: Falando de sua vida pessoal, você tem um relacionamento duradouro e já teve um relacionamento heterossexual que lhe deu um filho. Como se descobriu gay? Quando se descobriu?
Râzi: Eu sempre fui gay. Tem gente que se descobre, mas eu não sei como é isso. Digamos que quando eu soube o que era ser gay, pude olhar para trás e ver que, na realidade, sempre tinha sido aquilo, só não sabia o nome. O meu relacionamento heterossexual foi algo que aconteceu porque me cansei de homens uma época, e tive a sorte de ter ao meu lado uma pessoa que amava muito. Não casei para manter aparências, porque nunca liguei pra isso. E meu filho é algo que esse casamento me deixou de muito bom, além da amizade com minha ex-esposa. Com o Lê já tenho 5 anos e, posso dizer, estamos no começo do namoro!
Serginho Tavares: Me fale mais sobre isso, como se conheceram?
Râzi: Nos conhecemos através de um amigo. No começo ele não me suportava, mas é aquilo, a vida dá seu jeito! Ele estava passando por um término de namoro e veio falar comigo no ICQ. Sim , sou antigo! [risos] Ai foi questão de tempo e esforço! Ele fugiu de mim durante meses, mas eu não desisto, quando estou realmente interessado!
Serginho Tavares: E como o fisgou?
Râzi: Ah, eu não sei. Sendo eu mesmo, acho. Nunca fui bom em jogos. Nunca fui bom em dissimular, em fazer isso para conseguir aquilo. Se eu queria, ligava, chamava, me declarava! Lembro o dia que falei que já o amava, pelo telefone! Ele me deu um fora e eu passei a tarde chorando... Mas nada me desanima, enquanto eu tenho esperança.
Serginho Tavares: E como é a relação dele com seu filho e vice-versa?
Râzi: Ah, eles se dão bem, graças a Deus. Lê tem muito jeito com criança, apesar de ser chato, às vezes! Sabe, pai que quer que os filhos sejam perfeitos? [risos] E ele gosta do Lê, também. Já tivemos muitos bons momentos juntos, os três.
Serginho Tavares: Você tem medo de algo? Sempre parece tão cheio de si, auto confiante...
Râzi: Ah, querido, não sou não. Sou das pessoas mais neuróticas que você pode conhecer. Meus blogs, por exemplo, estão trancados em função de uma neurose, uma noite dessas! Me senti invadido, fui lá e coloquei senha! Tenho meus grilos, minhas neuras, mas não me deixo dominar por elas.
Serginho Tavares: Você tem um filho e um casamento estável. Conquistou algo que muitos gostariam de ter. Como vê a sociedade com relação aos gays. Mudou alguma coisa?
Râzi: As pessoas tendem a ver a sociedade como um corpo só, uma coisa com personalidade. Eu não acho isso. A sociedade é uma colchinha de retalhos. Eu tenho um casamento estável, uma vida tranquila, mas também não fico tentando horrorizar as pessoas na rua. Acho graça de quem quer respeito, mas não respeita os outros. Não pensa que aquela senhora de sessenta anos realmente não está preparada pra ver dois homens se beijando na rua, porque ela não está acostumada e não foi criada para entender aquilo. Você naõ vê casais heterossexuais se esfregando pela rua. Vê?
Serginho Tavares: Não.
Râzi: Bom, acho que não fui bem claro...Acho que podemos viver bem em qualquer lugar, se não acharmos que podemos fazer tudo ao tempo e a hora, da maneira que quiser. Viver em uma sociedade requer respeitar todos que fazem parte dela, e não apenas achar que deve ser respeitado a todo custo. As paradas gays, por exemplo, acho um despropósito. Eu não quero ser visto como um pessoa promíscua que sai de sunguinha pela rua, se esfregando com qualquer coisa que tenha uma piroca!
Serginho Tavares: Então o que acha que deveria ser feito?
Râzi: Vemos, hoje em dia, várias passeatas em busca de visibilidade para a paz, o desarmamento, o término dos manicômios, em favor dos deficientes físicos, porque somente a nossa visibilidade tem que estar ligada ao sexo e à promiscuidade?
Serginho Tavares: Não sei, porque?
Râzi: Exatamente, ninguém sabe! E se alguém desconfiar, gostaria de saber!
Serginho Tavares: Você conversa abertamente com seu filho sobre isso?
Râzi: Bom, meu filho sabe de minha homossexualidade. E o engraçado é que o maior medo dele era que eu me vestisse de mulher e me comportasse de forma escandalosa, comportamento que ele viu em algumas pessoas em uma parada! Dá pra entender o porque de eu achar que as paradas não acrescentam em nada? Muita gente as justifica pela visibilidade que proporcionam, mas o que é pior, pouca visibilidade ou visibilidade negativa?
Serginho Tavares: Com certeza uma visibilidade negativa, mas continuando, você acredita num país melhor?
Râzi: Acredito em pessoas melhores. País melhor é utopia. Enquanto todo mundo continuar reclamando do governo, dos políticos, da violência, mas aceitar e oferecer suborno, tirar vantagem sempre que pode, mesmo que prejudique outras pessoas, achar inofensivo o uso de drogas, porque é só um pozinho de nada pra animar, esse país não vai dar certo mesmo. As pessoas não vão dar certo.
Serginho Tavares: O Lula é um bom presidente pra você?
Râzi: Ele fez muito mais do que seu antecessores. A propaganda contra ele é grande, mas não se pode negar as evidências. Sim, ele é um bom presidente, pra mim.
Serginho Tavares: Acha que o Brasil esta no caminho certo? O que acha de sediarmos uma copa do mundo e uma olimpíada?
Râzi: Ah, meu querido, eu acho que apesar de não sermos os mais qualificados, os benefícios vão ser tantos que somente quem torce contra o Brasil é que vai achar ruim! Acho que todo esforço nesse sentido é válido!
Serginho Tavares: Estamos vivendo um momento de grande insegurança no país, vamos conseguir dar a volta por cima? Essas conquistas também serão benéficas neste sentido?
Râzi: Mesmo países ditos do primeiro mundo tem violência. Gente louca tirando a vida dos outros sem a menor razão. Acho que a violência deve ser combatida, mas ela é como uma doença crônica, não tem solução, somente paliativo. E dentro disso, torço por remédios mais eficientes.
Serginho Tavares: O Brasil é um pais imensamente rico. Além da violência, a saúde e a educação são instituições desprezadas aqui. Acredita que esse quadro vai mudar?
Râzi: Quando as pessoas realmente quiserem, o mundo muda. Quando perceberem que a enchente é resultado do lixo que joga no rio, o mundo muda. Quando deixarmos de ter uma visão segmentada pra ter uma visão sistêmica da vida, o mundo muda.
Serginho Tavares: Pronto agora para o nosso momento Fernanda Young, paca, pouco ou picas?
Râzi: Vamos!
Serginho Tavares: Trânsito engarrafado?
Râzi: Picas
Serginho Tavares: Beyonce?
Râzi: Até dois dias atrás, seria picas, mas depois de ouvir Halo, paca!
Serginho Tavares: Lost, 24 horas e Prison Break nas madrugadas da Globo?
Râzi: Suruba masculina. Muitas picas!
Serginho Tavares: Blogs com musiquinha tocando ao abrir?
Râzi: Picas no cu de quem coloca! [risos]
Serginho Tavares: Gente chamando a atenção no msn?
Râzi: Picas!
Serginho Tavares: Carnaval?
Râzi: ADOOOOOOROOOO pacas!
Serginho Tavares: Frio
Râzi: Gosto pacas!
Serginho Tavares: Gente blasé?
Râzi: Não vou dar picas que essas safadas de carão não merecem! Que fiquem na seca!
Serginho Tavares: Fila de banco ou fila de supermercado?
Râzi: Nenhuma delas! Banco por telefone e supermercado pela internet!
Serginho Tavares: Programa de sexta ou programa de sábado?
Râzi: Sexta, pra dormir no sábado, até tarde. Domingo é dia de acordar cedo!
Serginho Tavares: Sexo de manhã ou sexo a noite?
Râzi: Quando dá vontade!
Serginho Tavares: Agora o nosso momento perguntas sem noção! Se um dia acordasse e descobrisse que esta sem roupas em pleno FlaxFlu o que faria?
Râzi: Torceria pra ser na torcida do Fluminense, que a do Flamengo só tem canhão!
Serginho Tavares: Momento gabi, Râzi por Râzi?
Râzi: O que me define? [risos] O dia que eu descobrir, eu conto!
Serginho Tavares: E o que diria a todos que te leram e sentem saudades?
Râzi: Custa-me crer que existam muitos! Os que quiseram, mantiveram o contato, como você! Então, estou aqui. Se estiver com saudades, venha matá-la!

domingo, 8 de novembro de 2009

Para alegria do Edu, mais um episódio do "Re(zzz)umindo!"

Seguranças do canal E! prenderam um homem suspeito de perseguir o apresentador americano Ryan Seacrest aquele do American Idol. O homem que também portava uma faca se entregou a policia.
Danilo Gentili, aquele que perdeu a graça, foi preso durante quatro horas em uma delegacia da cidade de Assis, interior de São Paulo por perturbação do sossego e desacato a autoridade.
Pedro Bandeira disse à Folha de São Paulo que Sasha, aquela filha da Xuxa, não tem talento nenhum. Agora a rainha dos baixinhos esta arrependida de expor a filha.
Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank, aqueles, vão se casar disse o jornalista Flávio Ricco.
Mel Gibson, aquele homofóbico, é pai novamente. A sua namorada russa deu a luz uma menina, um pouco antes do tempo.
Elton John, aquele bipolar, foi internado com uma grave infeccção bacteriana e gripe, mas agora já está bem.
Whitney Houston, aquela dos remixes, pôs a venda sua casa pela metade do valor estimado, cerca de U$ 5,6 milhões. Alguém se habilita?
Nicole Kidman, aquela atriz, disse que foi aconselhada a não se casar com Tom Cruise e que queimou todos os diários que manteve no período em que estava com ele antes de se casar novamente.
Adriana Bombom, aquela que pirraça, e Dudu Nobre, aquele que caduca, estão de fatos separados. Ela vai pra fazenda e ele continua na cidade.
Maytê Proença, aquela mal educada, perdeu as duas pensões que recebia dos pais no valor de treze mil reais. Castigo?
Rihanna, aquela dos guarda-chuvas, disse que se envergonhou de ter voltado pro Chris Brown depois de ter apanhado dele e que passou uma mensagem errada para suas fãs. Sei...
Madonna, aquela do Jesus, deve chegar ao Brasil amanhã. Zzzzzzz...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Glee

"Mas que susto não irão levar essas velhas carolas se Deus existe mesmo..."
Mário Quintana