segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Ele não se define!

Conheço o Gus Braga há muito tempo, lá nos idos do começo de nossas vidas na net. O tempo passou, mas a amizade com o passar do tempo sempre continuou firme. É comum as pessoas se perderem aos longo dos anos e isto não aconteceu conosco. Mesmo hoje em dia morando mais distante Gus é um tipo raro de ser humano. Impossível não fazer esta entrevista com ele, o dono do Cine Rivello.

Serginho Tavares: Vamos à entrevista, se pudesse voltar atrás, você se imaginava onde está agora?
Gus Braga: De certa forma, sim. Acho que as coisas estão acontecendo da forma como eu imaginava. Mas nem por isso fico contente, acho que leva muito tempo para as coisas acontecerem. Tudo leva muito tempo para ser feito e acho que não tenho muito tempo a perder.
Serginho Tavares: Então você é um homem que faz planos. Certo?
Gus Braga: Nem tanto. Faço planos para o que é necessário fazer planos. Moro no exterior e tenho minha família no Brasil e para tomar conta de tudo é necessário fazer planos. Folga de trabalho, viagem, passaporte, taxas, impostos... Para esse tipo de coisa eu faço planos. Mas eu vivo minha vida muito no presente. Eu sou adepto do Carpe Diem.
Serginho Tavares: Vivendo no exterior, como você observa o Brasil?
Gus Braga: Eu acho que há muita coisa boa no Brasil que não é aproveitada. Está na hora de mover pra frente e adicionar outros valores a imagem. Essa coisa de terra do carnaval e do futebol não devia ser perdida, mas outros valores devem ser adicionados a imagem brasileira no exterior e a própria auto-imagem que o brasileiro tem de si.
Serginho Tavares: E a quem caberia essa mudança?
Gus Braga: A Rede Globo? (risos) Falando sério, acho que a televisão possui o maior impacto  na cultura brasileira (aqui também). Então, quando eu digo a Rede Globo, eu quero dizer um poder de média grande que cobre todo o território brasileiro e que é considerado, erroneamente, o quarto poder brasileiro.
Serginho Tavares: Arrependimentos?
Gus Braga: Sim. Eu me arrependo de não ter sido 100% honesto e por educação em uma única ocasião. Mas aprendi com isso e segui em frente.
Serginho Tavares: Medos?
Gus Braga: Eu tenho medo de não mover, de ficar parado, preso num lugar. Nem parece que isso sai da boca de alguém acostumado com longos relacionamentos...
Serginho Tavares: Você se expressa muito bem artisticamente, nunca pensou em dar continuidade a isto?
Gus Braga: Não tem como tirar isso de mim. Eu sempre estou criando algo, ou escrevendo música, ou poesia, ou escrevendo alguma crítica a algo que eu tenha tido contato.  Recentemente, resolvi levar mais sério a música. Então, tenho algumas coisas acontecendo, com uma proposta legal.
Serginho Tavares: Muitos artistas estão presos ao sucesso. Como observa isto?
Gus Braga: Acho triste como as pessoas se deixam levar pela "ilusão" do mundo das celebridades, indo até o fim, como aconteceu com Leila Lopes e Michael Jackson. No fim das contas, querer ser uma celebridade é um sonho vazio. Afinal de contas, como as pessoas se tornam celebridades? Indo a Reality shows, adotando nomes de frutas e mostrando a bunda, ou apenas sendo herdeiras de uma rede de hotéis luxuosos. Isso não me interessa. Eu fico feliz em poder fazer o que faço no meu canto. Eu tenho meus blogs, escrevo o que quero, mas não faço muito esforco para divulga-los. Eu faço as minhas músicas e canto para os meus amigos na sala aqui de casa. Eu fico feliz com o que faço e super me sinto uma celebridade, no bom sentido, comigo mesmo e não um desesperado por fama.
Serginho Tavares: E ainda é possivel fazer sucesso com talento hoje em dia?
Gus Braga: Acho que sim. Mas toda a indústria se transformou com os tempos. Então, mesmo os talentosos, tem que jogar o jogo atual para serem bem sucedidos. Temos por exemplo Lady Gaga. Ela é sim, uma autora talentosa, toca piano muito bem. Mas, ao contrário do que é dito, Lady Gaga é uma criacao de um grupo de pessoas para vender muito.
Serginho Tavares: Pronto para o Momento Raul Gil?
Gus Braga: Ok.
Serginho Tavares: Kanye West?
Gus Braga: Não tiro o chapéu!
Serginho Tavares: Mel Gibson?
Gus Braga: Não apoio extremistas. Também não tiro o chapéu.
SerginhoTavraes: Amy Winehouse?
Gus Braga: Eu me divirto com a Amy Winehouse. As escolhas pessoais dela nao me importam.
Serginho Tavares: Pete Doherty?
Gus Braga: Não tiro o chapéu porque nao gosto das músicas dele.
Serginho Tavares: César Cielo?
Gus Braga: Tiro.
Serginho Tavares: Rubens Barrichelo?
Gus Braga: Tiro também. Esses dois últimos são bons exemplos do que que eu gostaria de ver sobre o Brasil no exterior. Acho que pegam muito no pé do Rubinho. E acontece há anos.
Serginho Tavares: Copa do mundo e olimpíadas no Brasil?
Gus Braga: Acho ótimo porque estes dois eventos trarão muitos benefícios ao Brasil. E isso de todas as formas, desde a infraestrutura das cidades que farão parte dos eventos até os programas de desenvolvimento pessoal e esportivo no Brasil.
Serginho Tavares: Gisele Bündchen?
Gus Braga: Tiro. Mas não pra Isabeli Fontana.
Serginho Tavares: Luciano Huck?
Gus Braga: Sim porque é um homem de negócios esperto.
Serginho Tavares: Lula?
Gus Braga: Também tiro, pois vem tomando decisões que não prejudicaram o pais.
Serginho Tavares: Obama?
Gus Braga: Não tiro o chapéu pra ele não. Obama é o maior exemplo de boa propaganda e muita promessa e nada de execução. Os estrategistas de campanha de Obama fizeram um bom trabalho antes das eleições. Agora, na presidência, ele é uma decepcão. Não só por não executar o que prometeu (em territórios que somente ele tem o poder de executar no momento em que quiser), como também tem demonstrado ser muito inexperiente como governante.
Serginho Tavares: E para terminar, se pudesse definir-se em uma palavra qual seria?
Gus Braga: Eu não me definiria.
Serginho Tavares: Porque?
Gus Braga: Porque acho bobo isso. Eu falaria sobre mim, coisas que gosto e que não gosto. Do que me motiva. Do que me deixa de saco cheio. Mas não me definiria, porque não acredito nesse tipo de julgamento.

5 comentários:

FOXX disse...

não conheço ele...

Wagner disse...

Tb não conheci o moço mas achei muito simpático e com ideias originais. Em um mundo tão sintético isso eh super positivo! Diga pra ele q é super charmosa a entradinha do cabelo, rsr! Abraços!

Edu disse...

Um amiog muito inteligente esse seu! Manda um beijo meu pra ele!

Mauri Boffil disse...

eu tb não o conheço mas achei essa entrevista mega inteligente e única... Realmente, não sabemos (os brasileiros) aproveitar o que temos!

ManDrag disse...

Mais uma boa entrevista!

O entrevistado revela ser uma pessoa interessante e com uma saudável postura de vida.

Parabéns para ambos!

Beijos