segunda-feira, 22 de março de 2010

Ele não revisa!

O entrevistado de hoje é uma das raras unanimidades da blogosfera. Todos que o conhecem rendem elogios fervoros e quem ainda não teve o prazer de conhecê-lo eu mesmo faço as honras, com vocês, Edu!

Serginho: Tudo bom?
Edu: Tudo e 'ocê?' Essa é a primeira pergunta da entrevista? 
Serginho: A entrevista será feita quando você puder... Pode agora?
Edu: Sei lá. Manda bala! Se a gente não gostar a gente faz outra!
Serginho: (risos) Então deixa eu me preparar!
Vamos lá, mas vamos do começo... Como surgiu sua vida na blogosfera? 
Edu: Eita, história completa? Bom, sempre gostei de escrever (mas sem pretensões literáááárias - algo mais no estilo "meu querido diário" mesmo). Antes mandava cartas pra um amigo. Unzinho. Aí apareceu Bichinho que mantinha anotações em agenda. Como tecnológico que sou, cacei algo parecido com "agenda na internet". Aí pimba! Em 01/01/2003 surgiu o Beliguedum (que descanse em paz!)
Serginho: E daí para o casado(i)s foi um pulo ou muita água rolou?
Edu: Beliguedum (mistura de BliG com Edu com Ziriguidum), Beliguedumdois, V.I.P., Marica Tú, Cansei de Maricas, Troca-Troca, Beijo, Casado(i)s e Pampublikong, isso dos que eu me lembro!
Serginho: De fato não foi um pulo e todos eles eram sobre o mesmo tema? Um diário?
Edu: A idéia principal sim, mas nem sempre a gente tem o que contar sobre o dia-a-dia e, também, às vezes baixa um outro tipo de ins-piração e saem umas coisas mais elaboradas (ou não). Acho que nenhum dos blogs tem um "tema" por assim dizer.
Serginho: Com tantos blogs assim e há tanto tempo na blogosfera deve ter feito muitos amigos...
Edu: Outro dia pensava sobre isso. Repostando umas coisas dos antigos no Pamp percebi que muita gente não continuou comigo pelos anos (e blogs). Mas uns gatos e gatas pingados continuam firmes e fortes, sim. É como na escola, né? A gente mantém amizade só com alguns daquela turma toda, à medida que os caminhos vão se separando. Mas não digo isso com tristeza: toda amizade é um presente e algumas amizades são passado, presente e futuro.
Um parêntese: quem não souber dizer Pampublikong pode chamar de Pocahontas! (risos)
Serginho: Ok. (risos) Você fala de sua vida pessoal de um jeito doce e divertido, mas não deixa de se expor, como lida com isto?
Edu: Já me expus até mais... Bichinho que me deu umas broncas. Mas lido com naturalidade, acho - se eu abri um blog foi justamente pra expôr. Se não eu ficava com um documento no Word. Tudo bem que por conta do receio de machucar envolvidos procuro nào mencionar nomes dos que não sabem do blog. Também não exponho tanto sobre o Bichinho como antes. A censura existe e às vezes ela é tristemente necessária. Por outro lado, por isso que criei um novo perfil no google somente relacionado ao blog. Assim, talvez, ninguém que não deva vai me achar.
Serginho: E o Bichinho virou um outro membro do blog mesmo que nunca escreva, estão há quanto tempo juntos?
Edu: Bichinho é de falar. Pelos cotovelos, joelhos e outros membros! Eu gosto de escrever - dá uma freada nos pensamentos alucinantes que atropelam a língua quando converso. Conheci o Bicho em 26-02-2000. São 10 anos, pois. Morando juntos são 1,5 ano.
Serginho: E o fato de manterem durante tanto tempo uma relação? Hoje em dia não é comum em nenhum tipo de relacionamento!
Edu: Talvez tenha uma parte de preguiça da minha parte, (risos), esse negócio de arrumar homem dá trabalho! Mas eu sempre quis algo assim mesmo - tanto que só dei meu primeiro beijo aos 22 e isso porque o Príncipe estava demorando demais pra aparecer! Talvez hoje, com menos ingenuidade e menos medo do "mundão gay" eu não reproduzisse tanto o modelo estabelecido nas novelas. Tenho tv a cabo e já assisti "Queer As Folk"! Talvez hoje eu fosse mais saidinho. Mas pra que mexer em time que está ganhando? E sinceramente acho que não é o meu perfil. Mas acho muito interessante a vida do Paulo (Faysano). Tipo meu alter-ego.
Serginho: E você meio que se tornou com isto um ícone para muitas pessoas que buscam um relacionamemto sério, maduro, existe algum segredo?
Edu: Quem, eu??? Jesus, não tô sabendo disso não! Mas sei lá, além de toda a parte do "respeitar e ser respeitado" tem muito a ver com encontrar alguém que seja compatível com (a maioria) seus gostos, ideais de vida, time de futebol. religião, ou seja, tudo que é importante pra você. E alguém que te instigue a rever esses conceitos menos importantes que sobraram.
(Notou que eu respondo de supetão, do mesmo jeito que escrevo? Revisão não é comigo!)
Serginho: Adoro a forma como vc escreve/fala...
Vamos voltar mais um pouco ao passado, o garoto que cantava a musica do café quando viajava ainda existe?
Edu: A música nunca saiu da minha vida. "Depois de um sonho ruim... a gente levanta... toma aquele tombo... e quebra os dentinhos! Na hora de tomar café, é Café Concreto... que a mamãe prepara... xingando os vizinhos!". Sou crianção, ainda vejo a vida com cores saturadas, ainda acredito no lado bom das pessoas, ainda tento fazer um condomínio virar uma família!
Serginho: Talvez por isto tenhas virado um ícone e todo mundo gosta de você (olha a rasgação de seeeeeeeeeeda)
Edu: Mas toda criança sabe ser cruel, não se iludam. Sempre com uma resposta afiada na ponta da língua ou do teclado...
Serginho: Sim, eu sei. (risos)
Edu: Aliás, tem cada Pequeno Monstro por aí, que noooossa!
Serginho: (risos)
Edu: Meu lado mal fez um relativo sucesso, quando eu xingava "As Vacas" (consultoras que vieram pra um projeto na Empresa, em 2005-6). Eram muito bruxas, eu as queria mortas, engasgadas pelos cafés horríveis da Starbucks!
Serginho: (gargalhadas) 
Eu nem posso falar do meu lado mal, mas imagine que meu alter-ego é Bette Davis.
Edu: Não precisa dizer mais nada, (risos) O meu é Darth Vader, mesmo. Até asma eu tenho!
Serginho: (mais gargalhadas) 
Falando em crianças, pensa em ter filhos?
Edu: Cara, adoro criança. Acho megablaster fantástico quando um gay se propõe e consegue se tornar um pai. Aliás, ser pai/mãe (gay ou não) é fato de admiração e respeito constantes. Claro que tem que não faça o trabalho direito, mas é outra história. Já me quis pai, mas não mais. Talvez mais pra frente. E adotando, que já tem gente demais no planeta.
Serginho: Correção, seu alter-ego é o Paulo Faysano esqueceu? E sua adolescência como foi?
Edu: Eu era um cdfzinho meio chato, certinho. "Sarei" no colegial (ensino médio, para as crianças que nos lerem). Mas sem grandes traumas, tinha vários amigos. Mas a batalha contra a ebulição dos hormônios eu travei sozinha. Ou com mais 1, sem sair do armário, naquelas cartas que falei. Escrevendo por metáforas (coisa de até 4 cartas por semana!).
Serginho: Você mencionou que deu o primeiro beijo aos 22 mas no fundo gostaria de ter sido mais levado, o que te prendia tanto? 
Edu: Não havia internet na época, eu não sabia como era o mundo gay, onde encontrar, o que fazer. Ou seja, preconceito. Seriam todos promíscuos? Seriam todos maus? Seriam todos caricatos que me exporiam pra minha família e eu seria expulso de casa? Talvez eu esteja exagerando aqui - a maior parte da trava foi pura timidez mesmo, e teria sido parecido com meninas. Mas o que quero dizer é que a internet proporciona um distanciamento que ajuda bastante nos primeiros contatos com o "desconhecido". Mas sim, eu fiz troca-troca um tempo e vivi paixonites agudas desde os 4 aninhos. E, o mais importante, nunca questionei a minha própria sexualidade nem a vi como algo mau, pecaminoso, impuro.
Serginho: Hoje se sente bem com sua sexualidade? E o que fez chegar a este ponto?
Edu: Apenas a mantive só pra mim, esperando o tal Príncipe que derrubaria todas as barreiras. Aí, de sacanagem, o Universo me deixou esperando pelo desgramado até eu não aguentar mais e atacar o colega de colegial sem paixão mesmo. 
O que me fez chegar a esse ponto foi o Lulu Santos. Considerar justa toda forma de amor. Tentar manter a cabeça e o coração abertos para a verdade de cada um, que é diferente da do próximo. Amar e deixar amar. Tem gente que ama mais de uma pessoa ao mesmo tempo, tem gente que trepa com mais de uma ao mesmo tempo, relacionamentos abertos, fechados, pulando a cerca... Cada um sabe de si, embora possamos dizer que alguns respeitam mais seus parceiros que outros. Mas cada um que viva e ame como lhe for mais verdadeiro, e que permita aos outros amarem do mesmo jeito.
Sobre a sexualidade propriamente dita... sempre achei que homossexual é a evolução final... Não dizem que os anjos não têm sexo? E os Espíritos? Ou seja, são todos iguais, homogêneos, homossexos. Faz parte da evolução saber lidar com o sexo oposto. Mas depois que a gente aprende, é hora de poder brincar sem maiores complicações.
Serginho: E sua família? Como lida com tudo isto? Pelo que diz no blog, existe uma boa aceitação, mas sempre foi assim? Como ou quando se assumiu?
Edu: Eu "fui assumido" pela minha Irmã, que respondeu um "sim" quando minha Mãe perguntou. Nunca fingi não ser gay, nunca inventei namoradas. E estava pronto pra responder se a pergunta viesse. Mas a Mãe, ótima cabeça, não lidou muito bem com o "outing" de outros membros da família (tá cheio de viado e sapata por aqui, risos). Teve todo um trabalho de conversa, de exposição homeopática à coisa toda, de ir na Parada Gay e mostrar que tudo era relativamente normal, apenas desconhecido. O grande susto do povo hétero é quando descobrem que é tudo a mesma merda! Mesmos problemas de relacionamento, mesmas picuinhas, mesmas frescuras... Quase uma decepção, pra eles, (risos)
"Cada um tem seu tempo". Mas a gente também adia demais o tempo de sair do armário por achar que sabe qual será a reação do outro. E sempre nos surpreende.
Serginho: E hoje em dia como vê seu tempo?
Edu: Não sou de guardar arrependimentos não. Tipo "ah... devia ter beijado antes...". O que aconteceu e como aconteceu foi o que deu pra eu fazer de melhor, então vivo muito bem com meus erros, acertos e atrasos. Mas, porra, devia ter beijado antes... Já o meu tempo "presente" está bem melhor, mais fácil, quase mais natural. As novas gerações estão fazendo um ótimo trabalho em termos de aceitação das diferentes sexualidades. O povo se agarra e se beija a torto e a direito, não importando muito se é homem, mulher ou cabrito.
Outro parênteses: Até a Igreja Católica faz sua parte, mostrando que é normal padres e coroinhas se amando... acho lindo, sempre quis transar com padre (mas não aguento a ladainha da missa)
Serginho: Você citou os padres, o que mais te deixava ligadao? Já sei que vc curte a velha guarda da Vai Vai e o que mais?
Edu: Tive muitas paixonites por "meu melhor amigo" do ano (o melhor amigo variou um pouco... um dos 5 aos 9, outro aos 10, outro aos 11...). Professores também tive uns muito lindos. Gosto de cara/jeito de homem, nada muito trabalhado em academia, uma coisa mais natural. Mas nada disso é regra, é só... um direcionamento, se tanto.
Mas se for pra escolher, fico com os ursos. Homens entre 40 e 90, corpulentos. Não necessariamente peludos ou barbudos.
Serginho: É muito assediado?
Edu: Não que eu saiba/perceba. Primeiro porque não frequentamos lugares onde o povo se sinta à vontade (nada contra baladas, boates, encontros - é preguiça mesmo - passou das 23h eu quero dormir!). e também estou na entressafra, né? Muito velho pros que gostam de meninos, muito novo pros que gostam de maduros. Sem falar que eu sou distraído feito uma barata sem antenas... Bichinho que "acusa" olhares em minha direção, mas eu sempre acho que ele tá louco. Ele sim é bastante assediado
Serginho: Mas e quanto ao blog? Nao é assediado lá?
Edu: No blog??? Deixa ver... Deixa ver... Acho que nunca rolou não. Às vezes um elogio, mas pode ser brincadeira ou sem segunda intenção. O povo respeita o namoro/casamento de que trato sempre por lá. Talvez meu blog seja chato, só com coisa do dia-a-dia... Nào falo de aventuras sexuais e esses trem.
Serginho: Seu blog não é chato assim como eu gosto de ler sobre suas aventuras do dia a dia muitos também gostam e muitos devem se sentir atraídos por isto. Eu não conseguiria escrever sobre isto porque não sou de falar de mim e quando falei deletei depois (risos). Além disto como escreve obviamente também diz muito (e ao mesmo tempo nao diz nada deixando a todos curiosos). Acho muito interessante!
Edu: Eu gosto de poder reler o que eu escrevi depois de uns anos. Muita coisa a gente esquece, se deixar só por conta da memória.
Serginho: É verdade... E sobre os blogs que lê, o que acha? Há muita exposição? Existe muita mentira na blogosfera? Alguns blogayros merecem serem convidados pra um chá?
Edu: Verdade n°. 1 - eu não sigo/leio ninguém pra retibuir favor. Só leio o que eu realmente gosto por um motivo ou outro. E gosto quando os blogs são pessoais - mais no sentido de me permitirem conhecer a pessoa do que "o que estou fazendo agora", se vc me entende. Eu sei que o que o pessoal expõe é uma fração de suas personalidades e suas vidas, mas sou bobo e acredito em tudo que escrevem. Eu convido todos os que eu leio para chá, café ou guaraná. Só álcool que não tem lá em casa, sorry 'bout that! Pra não ficar "olha como ele é imbecil/fofo/politicamentecorreto", teve um casal gay blogueiro que eu quis ver morto, esquecido no ostracismo internético. Passei a acompanhá-los por um tempo, tentar amizade (sabe, comentar os posts...), e o cara retribuiu por uns tempos, até que disse "olha, seu blog é muito chato e eu só vinha aqui pra retribuir mas agora suma". Só porque eu fiz um comentário com o próprio nome que eles se davam e ele achou que eu estava zoando. Morram envenenados com Baygon!
(Baygon = indireta aos "insetos" que remetem ao nome dos mancebos)
Serginho: Continuo nao sabendo quem são!
Edu: Nem deve!
(Neste momento Edu me conta quem são, mas ninguém merece ficar sabendo sobre certos insetos, vermes, bactérias ou protozoariso tem o destino que merecem!)
Serginho: Mas esquecendo esse povo pobre de espírito... Como foi parar na Dinamarca?
Edu: A Empresa em que eu trabalho é de lá e me convidaram pra trabalhar lá uns tempos dando suporte global ao sistema que usamos. Mas não fica em Copenhagen, nada de glamour, e eu nem sabia dirigir na época.
Serginho: E como foi a vida lá?
Edu: Sensacional. Fui sem saber cozinhar. Apenas observava Bichinho e Mamãe - aprendo muito só de olhar. Então foi uma bela e necessária experiência pra quem sempre teve tudo dado na mão. Mas sem estresse. Apenas que na primeira semana comprei mais potes de sorvete do que comeria em 2 meses e minha máquina de lavar gostava de ir pulando pra cozinha.
E era verão, sol se pondo depois das 23h... e de volta às 4h...Fiquei 4 meses. Era pra ficar 1 ano mas o cara que me substituiria na região Américas desistiu. E como eu estava com saudade do Bichinho, o verão estava acabando e o Bin Laden tacando avião em prédios... Topei de muito bom grado encurtar a temporada. Final de maio de 2001 a 18 de setembro de 2001. Já tinha passagem comprada quando aconteceu o 9-11 mas só serviu pra confirmar (e pra dar medo de não conseguir voar pra casa - conexão em Londres).
Serginho: E o que o Edu vê e ouve? Ainda perdido em Lost?
Edu: Sempre perdido em Lost, que só passei a acompanhar por causa do Santorinho (não é meu tipo de homem, mas é muito gente boa e torço pelo sucesso dele). Nerd que só, adoro Battlestar Galactica (o Melhor Seriado do Muuuundo!), Big Bang Theory, Fringe, 2 and a 1/2 men, Seinfeld, According to Jim... No Grooveshark*, rolam... Coldplay, Mika, Paula Toller, Glee (adoooro - esqueci na parte do "ver"), Peter Gabriel, Phil Collins, Pink, Queen, Ricky Martin, Linkin Park, Legião, Lucio Dalla, Robbie Williams. E ando me abrindo às sugestões dos amigos. Somglass, Arctic Monkeys, Goldfrapp...
Serginho: Olhando pra sua vida antes o que observa nela agora? E o que espera do futuro? Faz planos?
Edu: Vejo que fiz boas escolhas. Nunca saberei se fiz as melhores escolhas ou as escolhas corretas. Mas escolhas que me tornaram quem eu sou hoje, mais aberto, mais relaxado, menos cri-cri. Vejo que aprendi a ser um pouco mau (sabe aquela propaganda que dizia "cheeeega de tudo bem!!!"? Pois é...), a gritar quando me pisam no calo e que dizer "não" é saudável! Ninguém dá valor a quem só fala "sim".
Pro futuro espero continuar nesse rumo, aprendendo a dizer não sem magoar. Aprendendo a dar mais valor pra o que EU quero sem fazer tempestade em copo d'água pra pequenas coisas. Ceder também é saudável.
Serginho: E se pudesse se auto definir como faria? Se neste momento fosse seu alter ego, o que diria do Edu?
Edu: Meu alter ego diria: "queria ser o Edu... e eu diria "queria ser meu alter ego"... ?! Acho que sou um cara legal. Nem demais, nem de menos. Comum, ordinário, mas que gosta verdadeiramente das pessoas. Alguém feijão com arroz (acompanhado de polenghinho com geléia de pimenta). Sou uma delicia e dou sustança!
Serginho: Edu entrevistar, ou melhor, conversar com você foi um grande prazer, qual sua mensagem pros fãs?
Edu: Vamos ver se seus leitores também. Serei espinafrado! (risos e mais risos) Fãs! Façam o que eu digo mas não queiram saber o que eu faço reeeeeeealmente... Tem muito caroço debaixo deste angu. Me amem, me idolatrem, me dêem dinheiro que eu preciso quitar um mega-financiamento, Jesus!
Ou... antes de falar do cisco no olho do vizinho, vejam a trave no próprio olho. Ou... eu sou o caminho, a verdade e ai de quem discordar!
E espero não ter decepcionado muito...Mas foi você que pediu! 

*Grooveshark = site que faz streaming de música, não precisa baixar nada, nem carregar mp3 pra lá e pra cá.

17 comentários:

Paulo disse...

Hahaha! Mas como assim, sou o alter ego do Edu???

FOXX disse...

bem, se o paulo é alter ego, eu sou só fã...

=D

Wans disse...

Adorei a entrevista!

Muitas coisas novas que não conhecíamos do Edu. Achei juto e digno!

Paulo Braccini disse...

Sensacional ... com todo o respeito aos entrevistados anteriores mas o Edu foi show ... o que não é nenhuma novidade ... parabéns aos dois ...

bjux

;-)

Jens disse...

"Justo e digno" - irretocável a definição para o camarada Edu. Parabéns ao entrevistador, pela perspicácia das perguntas, e ao entrevistado, pela sinceridade das respostas. Não é todo o dia que se vê uma personalidade da blogosfera se despir com tanta naturalidade. No caso, trata-se de uma sensível e bela nudez emocional - um exemplo de integridade para antigas e novas gerações.
Abraços para ambos.

Arsênico disse...

Perfeito! É gostoso ver que as pessoas do outro lado da página são tão comuns como nós!

Adorei a parte que ele se diz mal::: "O meu é Darth Vader, mesmo. Até asma eu tenho!" hahaha!

Amay!

***

:D

Autor disse...

Gente, eu adoro o Edu. Super fã do Casado(i)s, mas nem sabia que ele tinha mudado, relapso que sou, hehehe
Bela entrevista, daqueles papos descontraídos que vamos e lendo e ficamos tristes quando chega ao fim.
Adorei.
Bjo nos dois!
Autor
www.confissoesaesmo.com

Três Egos disse...

otima entrevista! gostei.

abraço

Mulher Asterísco disse...

Affe não consegui terminar de ler...mas sou fã do Edu...

bjs

Celso Eduardo disse...

Li a entrevista falando com o proprio,no MSN,rssss. Conheço o Edu faz um bom tempo .Até ja rolou um papo gostoso no shopping.

Só posso dizer que dois fofos fizeram uma super entrevista. Um papo muito gostoso de ler.

Parabens aos dois.

DO disse...

Serginho
O CELSO EDUARDO sou eu,ops..meu mano.

Isto que dá usar pc compartilhado,rsss

abraços

Edu disse...

Doze comentários, contando o duplo-DO e o meu? Té que não tá mal, considerando o tamanho da criança, hehe...

Muito gostoso falar contigo, Serginho - sempre! :-)

ManDrag disse...

Li... mas me perdi!

Terei de voltar de novo... mas da próxima em tempo de férias na Martinica, bebendo uma groselha gelada à sombra das palmeiras na praia.
rsrsrs

Parabéns, amor, por teres conseguido controlar a enguia escorregadia.

Beijos.

São disse...

Gostei da enttrevista: parabéns a ambos.

Bom final de semana.

Ana Wants Revenge disse...

adorei a entrevista!
edu parece ser um cara interessante e divertido. :)
o entrevistador tmb soube conduzir!
beeeijos
.
.
.

AD disse...

Porra, muito massa ter mais acesso aos pensamentos do Edu. Vlw Serginho por proporcionar isso. Aos poucos vou desvendando melhor seu blog. Abs.

Edu disse...

Ó, só! Quase chego no Mans :-)