quinta-feira, 11 de março de 2010

Não desperdice seus sentimentos

Ele julgava ter uma vida infeliz.
Era tímido e não conseguia se relacionar com as pessoas. A vida no colégio não estava sendo fácil. Era o alvo preferido das piores piadas e brincadeiras de mau gosto. Em sua casa as coisas também não eram as mais felizes. O pai, um alcoólatra inveterado, achava que o jeito esquisito do filho era culpa da mãe e esta preferia não dizer nada e aguentar calada as constantes surras do marido.
Dividia o quarto com dois irmãos mais velhos e grosseirões, que costumavam lhe bater. A irmã mais nova era sua única amiga, mesmo tendo falecido há alguns anos ele não deixava de falar com ela.
Uma sala de informática inaugurara no colégio e ele nem imaginou que aquilo seria o começo de uma nova vida a descobrir a internet. Ali percebeu que sua vida podia ser diferente. Um dia em uma sala de bate-papo criou um personagem com nome e sobrenome e depois disto vieram falsos perfis no Orkut, Facebook, MSN, Twitter. Fez um blog. Criou uma vida que não era a dele, mas ele começou a achar que era. Pessoas começaram a se apaixonar por ele. Queriam ser como ele. Pessoas reais e não personagens. Para muitos se transformou em um ícone a ser copiado.
Com o tempo as coisas começaram a tomar um rumo inesperado. Ele perdeu o controle da vida que criara e cometeu um grande erro. De repente ele se apaixonara por uma daquelas pessoas que o visitava constantemente. E aquele amor parecia recíproco. Pela primeira vez parecia feliz.
Meses depois de muita insistência ele marcara um encontro. Não sabia como seria, afinal ele não era a pessoa das fotos e não tinha sequer a mesma atitude, mas estava apaixonado e sabia que era correspondido, portanto seu amor não se importaria com algumas mentiras.
O local marcado era uma praça perto do colégio no fim da tarde. Ele estava ansioso. Chegou um pouco antes da hora marcada. Não sabia o que dizer quando o visse. Algumas pessoas passeavam por ali, mães com seus filhos, pessoas na parada do ônibus, mas nenhum que se parecesse com Felipe, sim era este o nome dele. Havia já algum tempo um homem sentado em um dos bancos que constantemente o fitava, mas era mais velho e não correspondia a quem esperava. O tempo ia correndo e ele mais nervoso ficava. Não havia passado muito, só que quando esperamos algo, 10 minutos se parecem com dez horas. Ali perto podia ver uns rapazes do colégio que conversavam, chegou a ouvir que discutiam por causa de uma bola de futebol perdida. O mais alto, um ruivo cheio de sardas dizia que não sabia onde ela estaria. Seria um deles? Não, não pareciam ser... O tempo ia passando e ele começou a achar que Felipe não viria mais. Estava distraído e não percebeu que o homem que o observava do banco próximo sentara ao seu lado.
- Esperando alguém?
- Um amigo (a voz saiu baixinha, quase inaudível)
- Como seria este amigo? Não pode ser eu?
(pausa)
- Não, não pode.
- Ainda acha que ele vem?
- Não sei (ele não olhava para seu interlocutor e sim para o vazio)
- Porque não segues comigo até aqui perto? Podíamos ir conversando... Seu amigo nem deve vir mais e se aparecer deve julgar que você cansou de esperá-lo. Vamos?
Ele hesitou, mas o homem não precisou fazer muito para convencê-lo a ir até um terreno baldio onde fizeram sexo. No fim, Caio sentiu-se sujo.
- Não gostou?
- Sim... gostei! (mentiu)
- Sei que não gostou!
- Não, não... Eu gostei! (quase chorando)
O homem riu e o esmurrou. O golpe fora violento o suficiente para atirar o garoto ao chão. Começou a receber seguidos golpes em seu rosto. Tentou gritar, mas sua voz foi abafada com duas mãos grandes e grossas em seu pescoço. O homem o xingava repetidas vezes dizendo que ele nunca mais sentiria nojo dele.
Parecia uma eternidade, mas o tempo é sempre cruel, não demorou muito, o corpo de Caio jazia em um terreno baldio. Fora encontrado por um garoto ruivo e sardento que estivera ali para buscar uma bola de futebol perdida...
Seu assassino nunca fora encontrado, mas costuma entrar na internet usando o mesmo nome falso: Felipe.

(Esta é uma obra de ficção, mas pode ser real. Existem muitos Caios e Felipes por ai. Fiquem atentos.)

14 comentários:

ManDrag disse...

O mundo virtual da internet e informática é cada vez menos virtual. Novos saberes de procedimento e conduta são necessários.

Saibamos todos estar atentos, não só para nos protegermos, mas também para participarmos.

Cada vez estamos menos sós, enquanto a nossa solidão aumenta.

Beijos

Paulo disse...

Ai, que meeeeeedo!! E eu já esperando um final feliz na história!!

Mas dá medo mesmo isso... você nunca sabe quem realmente está do outro lado do monitor. A princípio, você acredita em tudo que ele disser, nome, como parece, o que faz, o que gosta, etc. Agora, saber se este personagem que aparece no seu monitor é real ou invenção, já são outros quinhentos...

O pior é que conheço gente que é assim, cria um "eu" idealizado para internet e blogs. O foda é que esse "eu" não se segura em pé nem dois minutos quando você conhece quem realmente está por trás dos textos!! Triste...

Arsênico disse...

meodeos... fiquei arrepiado... que horror... ainda bem que não saio com caras que conheço na NET... tenho medo de coisas como essas mesmo...

Tadinho do Caio genTi... depois de tanto sofrimento... não merecia esse fim...

Mas é o que acontece todos os dias em terrenos baldios pelo mundo afora!!!

Parabéns pelo post... Adorei!

***

EntÓn o senhÖr gosta da forma que joy escrevo?... hahaha!!! Thank YOU! Volte sempre... que sempre estarei por aqui...

umBeijo!

:D

Edu disse...

Nossa, que forte isso!! Tb tava esperando um final feliz, dos dois avatares se apaixonando. Mas a verdade é mais cruel.

HSLO disse...

Credo. Fiquei com medo agora.


abraços


Hugo

Igor disse...

Só pra dizer que fiquei oficialmente destruído e bem pensativo sobre esse texto.

Bem forte. Mas infelizmente, acontece e muito. =/

Alexandre Lucas disse...

O segredo é o caminho do meio.

. intemporal . disse...

.

. porque é preciso estar atento .

. na defesa do vil intento .

. um beijo, serginho .

.

. paulo .

.

@vitinhobinho disse...

Muito forte !

Por que você faz poema? disse...

O novo mundo é dos fakes.

Goiano disse...

amor a disney nunca vai te contratar para roteirista!
rs
cade o felizes para sempre?
rs
eu sou um romantico ...mas eu entendi o alerta que vc quis dar... bjos

São disse...

Sem dúvida, a cilada pode estar mais perto do que aquilo que se julga e sob bom disfarce.

Bem hajas!

Três Egos disse...

Nossa, que história! Pelo menos ele conseguiu se achar um pouco na Internet durante um tempo, certo que isto levou para sua morte e por isto é preciso tomar cuidado com esta arma...

Abraço

Leandro K. disse...

nossa
atípico no seu blog
me pegou de surpresa