domingo, 31 de outubro de 2010

Guy Franco (Canudos Coloridos)

O meu entrevistado de hoje chegou atrasado, mas tudo bem. Eu disse a ele que estrelas podem e como hoje seu blog faz aniversário nada mais justo e digno que conhecermos um pouco mais dos canudos coloridos do senhor Guy Franco.

Guy Franco: Eu perdi a hora! Ai, que infeliz que eu sou, mas diga, estou com olheiras?
Serginho Tavares: De jeito algum!
Guy Franco: Então, vamos brincar!
Serginho Tavares: É uma honra te receber aqui, você escreve muito bem, quando começou a tomar gosto pela escrita?
Guy Franco: Logo que eu aprendi a escrever, fiz um poeminha pra minha mãe sobre maçã. Ela adorou e guardou. Tem até hoje. Aquilo me incentivou, certamente, porque comecei a escrever mais coisas pra ela. Com uns 6 anos a minha redação - é, eu tive redação aos 6 anos - foi escolhida a melhor da sala e eu ganhei uma caneta que virava robô, tipo transformers. A caneta eu não tenho mais.
Serginho Tavares: E quando decidiu fazer um blog?
Guy Franco: No caso do Canudos foi num sonho que eu tive em julho de 2008. Não me lembro qual era o sonho Mas quando acordei, já sabia tudo o que eu queria. Comecei a escrever as histórias como se eu fosse cada um dos personagens e quando completei 10 ou 12 posts eu finalmente fiz o blog. Mas não contei a ninguém.
Serginho Tavares: A ideia é interessante. Recentemente você revelou que todos os autores são a mesma pessoa. No caso, você mesmo. Porque?
Guy Franco: Porque uma hora ia acontecer mesmo. Eu já planejava isso desde o dia em que eu tive a ideia para o blog. Só não sabia como aconteceria. As pessoas estavam começando a perguntar se o Edgar tinha Twitter, se o Alex tinha MSN. Então decidi que já estava na hora de contar.
Serginho Tavares: Isso que é fabuloso! O fato de ter conseguido criar personalidades tão distintas a ponto das pessoas acharem que elas existem! Como escritor, como se sentia?
Guy Franco: O problema é que todos eles tem um pouco de mim. Então dá pra desconfiar de que sou eu. Principalmente o Tomas, que é o mais, hã, ácido deles. Pra mim, escrever é como brincar de bonequinho. E eu brinquei muito de bonequinho, até os 14 anos. É exatamente a mesma coisa. Por isso eu não entendo muito gente que escreve para "expor os sofrimentos" or something, ou gente que se leva muito a sério na hora de escrever ficção. Acho muito chato. Não sabem brincar!
Serginho Tavares: E quais autores você lê, que segundo você, gostam de brincar!
Guy Franco: Eu amo Borges. Ele que me fez me interessar mais por literatura. Ele brinca muito. Eça de Queiroz também, um dos mais brincalhões. Nabokov, P.G. Wodehouse, Raymond Chandler, Wilde, Mark Twain. Todos esses brincam. Bem, tem muito mais, né?
Serginho Tavares: Nenhum autor nacional?
Guy Franco: Não tem como não ser óbvio com literatura brasileira. O maior de todos é Machado de Assis. Gosto de Guimarães Rosa também. Mas não me peça nenhum autor brasileiro contemporâneo que eu não vou saber te falar.
Serginho Tavares: Além de escrever no que mais gosta brincar?
Guy Franco: Ler, claro, e cinema. Eu viveria só de livros e filmes. Tiraria o presunto e o queijo.
Serginho Tavares:  É possivel incorporar a vida virtual com a real hoje em dia?
Guy Franco: Incorporar? Mas já está incorporada. O que eu não consigo imaginar é tirar a "vida virtual". Aliás, confio mais em pessoas que conheço primeiro na internet do que ao vivo. Pessoalmente, você não tem como saber das preferências dela, as comunidades que ela participa, como ela escreve. É só a cara e as roupas. E pra dar o fora, hein, hein?
Serginho Tavares: Existem pessoas que separam bem isso, o mundo virtual do mundo real,  não acha possível?
Guy Franco: Quem separa é quem não usa muito bem a internet. Acho até que deve ser saudável. Mas pra mim, chato do jeito que sou e com medo de pessoas, é fundamental.
Serginho Tavares: Medo das pessoas? Explique melhor esse medo.
Guy Franco: Porque eu tenho a teoria que todo o mundo é imbecil até que se prove o contrário. É uma coisa boa, na verdade, porque quando a pessoa consegue provar o contrário, eu fico admirado e dou muito valor a isso. Melhor do que achar o contrário. Quando você pensa que todos "têm algo a acrescentar", seu senso crítico vai lá pra baixo. Não, nem todos têm o que acrescentar. Pra que perder tempo com pessoas desnecessárias? Desconfio de gente que faz amizade com todo o mundo.
Serginho Tavares: Hoje o mundo está tão conectado que é impossivel não fugir disso. E quais filmes, livros, peças de teatro, enfim, que te inspiram?
Guy Franco: Não dá pra contar, né? São muitos. Mesmo coisa ruim me inspira. Tenho motivação vendo coisa ruim também, mas só de vez em quando. Inspiração de cinema é o que eu mais tenho. Ultimamente estou numa fase Ozu e Mizogushi. É uma lacuna que eu tinha e que precisa ser preenchida. Dos contemporâneos: Kiyoshi Kurosawa, Assayas, Claire Denis, Manuel de Oliveira (que é atemporal), Woody Allen, Hong Sang-soo, Hou Hsiao Hsien, Clint Eastwood, Miyazaki. Tem muita coisa, ficaria até 2046 falando de cinema.
Serginho Tavares: O que não pode faltar na sua vida?
Guy Franco: Poder ficar sozinho lendo ou vendo um filme, cinema e mostras de cinema.
Serginho Tavares: O que tiraria da sua vida urgentemente?
Guy Franco: Ser pobre.
Serginho Tavares: Se pudesse ser outra pessoa, quem seria e porque?
Guy Franco: Não tenho a menor ideia. Acho que eu não queria ser brasileiro e nem ter nascido nessa época.
SerginhoTavares: E sendo você, o que diria pra si mesmo?
Guy Franco: Dê um jeito de se mudar daí.
Serginho Tavares: Guy Franco pode ser reinventado?
Guy Franco: Estou me reinventado agora, enquanto falo com você.

24 comentários:

FOXX disse...

sou fanzaço do Guy!
ele é um escritor fabuloso!
e um twitteiro maravilhoso!

=D

Edilson Cravo disse...

Achei maravilhosa a escolha do entrevistado. Ele é superácido e isto é uma característica marcante em pessoas inteligentes. Um grande abraço e linda semana. Parabéns pelo post.

Antonio de Castro disse...

é a primeira entrevista q eu leio e quem sabe a última.

sou um péla-saco do Guy.

Adoro os textos dele, adoro o que ele fala e até a camiseta avermelhada dele.

não perderia a oportunidade de descobrir um pouquinho mais dele.

meu preferido, sem dúvida nenhuma

Sergio Viula disse...

Muito jóia!!!!

Abração, Sergio e Guy!
Sergio Viula

Guy Franco disse...

Olha, eu!
Será que pareço muito mau na entrevista? Tive essa impressão. Mas, bem, vocês sabem, nem é verdade. Sou amigável sim.
Estranho comentar minha própria entrevista, então vou ficar sentado aqui neste pufe. Qualquer coisa, só me cutucar.
Beijo!

Rafz disse...

Esta entrevista só vem confirmar o orgulho que sinto deste menino.

Silvana Becker disse...

Conheço o GuyFranco há 20 anos e sempre me encantei com sua criatividade e inteligencia!Ele tem um futuro brilhante pela frente! Parabéns meu amigo!

ManDrag disse...

Esse estafermo de entrevistado parece ser alguém interessante. Chato, como só os génios são capazes de ser, suscitou-me a curiosidade de ir confirmar se a bajulação (coisa fácil aqui na blogosfera) em volta dele é merecida. Se for ficarei por lá lendo e comentando.
Parabéns aos dois, entrevistador e entrevistado, por não ficarem para aqui enchendo a paciência com baboseiras estúpidas de auto-felação. Tinhas razão, amor, quando disseste que desta vez eu iria gostar da entrevista e do entrevistado. Bem, dele pela foto, posso dizer que não está mal de todo, embora fosse dispensável a pose de adolescente pedante e convencido, com o cenário da barba por aparar e o olhar gaiato.
Hahaha estou-me divertindo à brava! Mas já sabes que fico assim quando tomo os analgésicos para a enxaqueca! Como descendente de arrogantes colonizadores imperialistas (sim, sou português e daí?) tudo me é permitido, pois mesmo que nada faça, sou logo por princípio discriminado pelo preconceito e pela xenofobia.

2ª parte:

Bem, entretanto já passei pelos canudos e posso dizer que as cores me agradaram muito. O moço escreve bem.
Parabéns Guy!

Beijos

lucidreira disse...

Blz. muito bom. Parabéns.
Abraço

Guará Matos disse...

Mais um belotrabalho realizado por ti.

Bj.

São disse...

A entrevist está muito interssante como é habitual.

Me surpreende o entrevistado não falar em Jorge Amado e Ubaldo Ribeiro, mas fico contente por citar o grande Eça de Queirós.

Um bom dia por aí e que a governação de Dilma seja excelente e trga prosperidade para o Brasil. amigo meu!

Lobo disse...

Engraçado, que nem na entrevista ele se despe dessa forma meio distante e levemente desconexa de falar as coisas... fico imaginando se é assim o tempo todoa na vida real hahaha

Um beijo aos 2!

Paulo Braccini disse...

O Gui é sem qualquer dúvida um dos mais "up" de blogsville ... fã de carteirinha do rapaz ... vc conduziu muito bem a entrevista e nela, ele pôde se mostrar com mais clareza em sua percepção sobre esta figura chamada Gui ...

Parabéns aos dois ...

bjux

;-)

JotaSP disse...

Gostei muito da entrevista!!!

Um abraço aos dois «««

Bel Ami disse...

além de tudo que foi dito, q barba mais deliciosa hein...

bjos!

Wanderley Elian Lima disse...

Confesso que não conheço muito o seu trabalho, mas gostei da sinceridade da entrevista.
Bjão

Edu disse...

O Gui (em todas as suas variações) é SUPIMPA! Beijos pra ele(s)!

Le Voyeur disse...

'conheci' ele ha pouco tempo, mas ja virei fa!
adoro os tweets dele...

bjs do voy

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Boa entrevista :)

TH disse...

Excelente entrevista com um dos autores de um dos blogs que mais visito e me divirto atualmente1
PARABENS pelas perguntas

Saulo Pereira Oliveira Lima disse...

Conheci Guy por Twitter, pelos primeiros 140 caracteres já o admirava bastante, e quando vi a versão extendida no blog Canudos Coloridos, tornei-me fã. Cara genial.
Ótima entrevista.
Beijo!

Rafael disse...

Adoro o Guy e adoro essas entrevistas, então só posso dizer que adorei isso aqui. bjão!

João disse...

Canudos Coloridos é praticamente meu livrinho de cabeceira. E o Guy é lindão, né?

Guy Franco disse...

Obrigado, gente! =)