terça-feira, 5 de outubro de 2010

A História Sem Nome, capítulo 01.

O cigarro do demo

Cansado, despido e deitado sobre a cama com a luz do sol a lhe incomodar A* tentava continuar deitado. Queria dormir, a ressaca da noite anterior lhe causara uma tremenda dor de cabeça. Não lembrava da última vez que tivera uma. Não demorou muito para que passasse, mas ele sabia que tinha realmente exagerado ao ponto de sentir-se daquela forma. Parecia estranho, mas esboçou um pequeno sorriso. Sentir-se como um ser humano era algo indescritível mesmo que por alguns segundos. Seus pensamentos o levaram para bem longe, mas não o suficiente para voltar a dormir. Resolveu levantar e molhar o rosto. Ao se por de pé, pensou sentir a presença de alguém ali no pequeno cômodo. Ainda deveria ser efeito do “cigarro do demo” que não passara. Caminhou desajeitadamente até o cubículo onde ficara o banheiro. Abriu a torneira. A água que saia era pouca, mas o suficiente. Levou as mãos ao rosto e ao ver-se no pequeno espelho em cima da pia pensara consigo que por mais que vivesse ainda veria muitas coisas. As rugas ainda não existiam no rosto, mas ele sabia onde cada uma deveria estar. Examinava seu corpo cuidadosamente e gostava do que via. Com um sorriso malicioso piscou para si mesmo.  Agora, sentia mais forte ainda a presença de alguém o observando. Sem nenhum pudor resolveu brincar com a possibilidade.
Subitamente, teletransporta-se para o outro cômodo.
- Quem é você? Seja quem for, apareça!
A imagem de C*, um homem alto e sisudo projeta-se à sua frente de imediato.
- Então, quem é você?
- Ora, ora, ora. Você é muito mais poderoso do que eu imaginei! Conseguiu facilmente absorver meu poder mutante... O que mais pode fazer?
Com o indicador apontado para seu oponente, ele estabelece contato. É o suficiente para erguer seu interlocutor e prendê-lo no teto.
- Está melhor agora? Posso fazer você virar poeira se não me disser quem é e o que quer de mim!
Naquele instante, mãos fortes e pesadas o seguram por trás. O homem preso ao teto consegue então escapar e desce como um gato furtivo.
- Pode solta-lo D*. Ele não fará mal nenhum!
- Ele pode matá-lo!
- Ele não fará isso...
- Me larga ou eu mato os dois num piscar de olhos!
- Você não mata ninguém A*. Eu conheço sua natureza!
- Como sabe meu nome? A* ficara atônito. Não costumava usar seu nome mutante e apenas a pessoa que lhe dera o conhecia.
- Eu ando lhe observando e perdoe-me minha falta de educação. Eu sou C* e o rapaz que fortemente lhe segura é D*, meu companheiro. Viemos ter com você porque poderá nos ajudar!
- Ajudar? Como assim?
As mãos fortes e pesadas de D* soltam A* que enfim pode ver a sua frente um rapaz baixo e franzino. Se não conhecesse as habilidades mutantes teria estranhado como aquele moço mirrado poderia ter-lhe segurado com tanta força.
- Venha conosco e eu lhe contarei tudo.
- Eu não vou a lugar nenhum. Pode começar contando agora.
C* olha para D* que aquiesce.
- Somos um grupo de mutantes que se protegem ao mesmo tempo em que ajudamos o governo de muitas nações com nossos poderes. Um dos nossos desapareceu misteriosamente no Golfo do México. Agora o governo americano nos culpa pelo derramamento de petróleo naquela região. Precisamos encontrá-lo e descobrir o verdadeiro responsável antes que seja tarde demais!
- E o que eu tenho com isso?
- Precisamos de sua ajuda, interrompe D*.
- Isso eu sei, mas não entendi ainda em que posso ajudar. Se vocês são uma equipe, para que precisam de mim?
- Se não precisássemos de você não estaríamos aqui pedindo! Irrita-se D* com a negativa de A*.
- Calma D*, abranda C*, talvez eu não esteja sendo muito claro. Há muito tempo o grupo das nações mais ricas do mundo incluindo a Rússia pediu a minha ajuda no combate ao terrorismo. Em troca estes mesmos paises nos ajudariam no combate a discriminação que sofremos ao longo de todos estes anos.
- Parece que não andou dando muito certo não é? Ironiza A*.
- Sim, de fato. Continuamos sendo perseguidos e molestados e até servindo de cobaia para testes em laboratórios. Um grande amigo, o Professor M* descobriu em suas pesquisas um dado interessante. O ser humano teria nascido com o gene mutante e apenas alguns manifestariam isso. Esta pesquisa não pode ser publicada e meu amigo foi considerada persona non grata nos meios acadêmicos. Ele pediu minha ajuda, mas desapareceu dias atrás. Logo depois veio o problema no Golfo do México. Acredito, melhor, acreditamos que as duas coisas estão relacionadas.
- E vocês querem que eu resolva isto, certo?
- Queremos que nos ajude! Você é um dos mutantes mais poderosos que eu conheci e talvez nem conheça a dimensão total de seu poder. Se cair em mãos erradas poderia provocar o fim do planeta, mas posso sentir bondade em seu coração e por isso viemos pedir sua ajuda.
A* mira C* e D*. Os dois são completamente diferentes e isto se evidencia mais ainda quando estão um ao lado do outro. D* segura a mão de C*, seus olhos marejados deixam cair uma lágrima. Ela desce pelo seu rosto e cai no chão. Apenas a visão de D* pode ver todo o percurso da pequena gota; sua audição seria capaz de ouvir o barulho que ela fez ao cair no assoalho velho do cômodo em que estão. A* talvez em outros momentos tivesse dito não, mas percebeu que não desistiriam dele tão fácil e mesmo sabendo que havia algo muito maior que C* escondia dele resolveu seguir seu coração. Talvez as respostas que ele andava a procura pudessem estar ali, então, no que ele sairia perdendo? Já havia ajudado tanta gente mesmo...

19 comentários:

São disse...

Muito bem escrito, sim senhor. Embora , francamnete, não aprecie muito ficção cinetífica. rrss

Um grande abraço.

Wanderley Elian Lima disse...

Começou bem, vamos ver onde tudo isso vai chegar.
Bjux

Wans disse...

Adorei!!!!

O desaparecido é a vaca?

O casal é Braccine e Wander?

O Sr. A é Faysano?

jamesp. disse...

Gostei muito,Serginho.Aguardando a continuação.Beijo,querido.

Edu disse...

Wans FDP. Tirou as palavras/palpites do meu teclado! Será? Problema é que Serginho conhece muito mais gente...

Muito bem escrito, Serg!

Autor disse...

Gente, eu tava esperando ansioso por isso! E, claro, amei a idéia.
Serginho, vc tem todo o tipo de narrador de ficção científica com um toque de quadrinhos!
Será que vou entrar nessa história, será????
hehehehe
Quanto ao protagonista, não tenho dúvidas: Faysano, claro! Afinal, cigarrinho do demo é uma referência E TANTO para ajudar na identificação.
:-)
Ansioso pelo próximo episódio, quando será?

Paulo Braccini disse...

Cara ... arruma um desenhista e faz parceria com ele montando uma revista em quadrinhos ... perfeito ... expectativa grande para correr à banca e comprar o próximo número ...

bjux

;-)

Paulo disse...

Hahahahahaha!!!

Mas eu adorei isso, hehehe!!

Quer dizer que se eu cortar meu cigarrinho do demo eu posso voar?? Mas é justamente o contrário que rola, hahaha! :P

Adorei, quero ler a continuação!!

Ah, manda pro Deodato depois, hehe!!

Guará Matos disse...

É isso Serginho!
Você tem evoluido a cada edição.
Legal mesmo.

Bjs.

Glaukitos disse...

Já pode virar roteirista dos X-men amigo.

Aguardando o 2º cap.

Abração (ainda com ressaca)

Arsênico disse...

atÓron esses roteiros divididos por capítulos... vou lendo e imaginando a cena... é como ler um livro... a diferença é que não se pode ir até a página final ou ler o resumo do mesmo!!!

Senti uma vibe Heroes!!! atÓron!

***

umBeijo!


;-D

Lobo disse...

Pois é... o cigarrinho do Demo remete (ui!) muito a pessoa já citada acima ahauahauahau.

Atóron Vibe Heroes também! Só não vamos deixar acontecer o que aconteceu com heroes, que cagaram a partir da segunda temporada! AHuahaua

E vamos que vamos!

Um beijo Serginho!

Guy Franco disse...

O segundo é amanhã? Sim, estou ansioso. Isso de A, B, C, D me deixa apreensivo e com labirintite!

K. disse...

Se chegar a Z, estou perdido.

Mas... reflexãozinha minha, de migo pra igo... é difícil entender como as pessoas nos percebem e como elas reproduzirão e se a reprodução delas é a mesma que outros fariam... Não?

Le Voyeur disse...

ui gente, fiquei todo arrepiado!
atoron historias misteriosas...
aguardando o proximo capitulo!
ps: vou lendo e imaginando as cenas como num filme!!! =S

abraços
voy

Paulo Braccini disse...

voltando para dizer q adoro pecar ... adoro aquele leve sentimento de culpa sabe como né? rs ... [piada interna]

bjux

;-)

Wagner disse...

Whoa! Que legal, vc inventou tudo isso? Eu gostei! Abraços!

insideme disse...

kkkkkkkkkkk, q menino inspirado, mas por falar em cava aí acima, por onde anda akela vaca safada ein? em q pastos estará... ? saudadesdela =\ vaca sacana, some e deixa o povo a ver navios, ¬¬

Cain Sodom disse...

A* tá jurando que é Carry Bradshaw caçando Mr. BIGs nas chiques ruas de Manhattan...

C* e D* estão naquele dileminha (todo mundo fica com todo mundo) pra ser mais exato coisa que C, S, B, D, J and N costumam fazer toda segunda a noite...

Como isso acabará?

XOXO - não perca o próximo episódio de Gossip Gay. huhuhu