terça-feira, 30 de março de 2010

Livin' la vida loca!

Ricky Martin, como todos sabem, assumiu sua homossexualidade, mas ficam algumas questões. O cantor viveu há dez anos atrás o auge do sucesso mundial e depois viu o mesmo definhar, acabando por ter sua vida particular mais exposta do que seu trabalho. O fato de ter se revelado agora foi mais uma forma de aparecer ou uma tentativa de uma vez por todas de encerrar este assunto? Vivemos num mundo tão preconceituoso onde homens como Ricky não assumem sua orientação, apenas quando estão mais velhos e aí não precisam provar nada a ninguém.
De qualquer forma tendo sido publicidade ou não Ricky ajudará muitos jovens a entender melhor seus medos e anseios ou isto não significará nada?

sexta-feira, 26 de março de 2010

Girl Power!

Elas não estão preocupadas com moral nem bons costumes e farão tudo para conseguir o que querem. Elas impõem medo. E entraram para história.

Maleficent (Sleeping Beauty)

Ela se auto proclama a maior de todos e de fato é. Elegante, voluntariosa, a fada do mal jogou um feitiço na pobre Princesa Aurora no dia que ela nasceu. Aparece sob a forma de uma mulher alta, magra, de pele esverdeada pálida com um rosto estreito e um queixo proeminente. Ela também tem olhos amarelos e um chapéu com chifres, que é um símbolo de sua magia negra. Veste um roupão preto e roxo com asas de morcego, como bordas, e usa um anel de ouro com uma grande pedra redonda e negra nele.
No filme foi dublada pela atriz Eleanor Audley que antes dublara a madrasta da Cinderella.
Sem dúvida, Maleficent é o ponto alto do filme. Atenção para os momentos finais em que se transmuta em um dragão, a própria personificação de si mesma.

Baby” Jane Hudson (What Ever Happened to Baby Jane, Bette Davis)

"Baby" Jane Hudson é uma estrela infantil no vaudeville. Seu pai a mimava e favorecia enquanto sua irmã Blanche, cheia de inveja e ira, era confortada pela mãe. Anos depois é Blanche quem faz sucesso no cinema enquanto a carreira de Jane à medida que cresce, afunda. Blanche, ao sofrer um acidente, acaba presa em uma cadeira de rodas e se torna dependente da irmã que frustrada e amarga a aterroriza dia após dia.
Atenção para a célebre cena do rato servido em bandeja de prata.

Eve Harrington (All About Eve, Anne Baxter)

Ela é a fã com cara de coitada de Margot Channing, uma estrela da Broadway. Mas engana-se quem pensa que ela seja quem aparenta ser. Dissimulada, seu plano ardiloso é tomar o lugar de seu ídolo. E consegue.

Marquise Isabelle de Merteuil (Dangerous Liaisons, Glenn Close)

A Marquesa de Merteuil pede ao Visconde de Valmont que seduza a filha de uma de suas amigas. Seu objetivo é vingar-se de um antigo amante. A marquesa é puro cinismo, um exemplo da aristocracia da época. Não precisa falar para entendermos seus atos até mesmo quando sua máscara cai.

Nurse Ratched (One Flew Over the Cuckoo's Nest, Louise Fletcher)

A tirana enfermeira Ratched não está nem um pouco preocupada em reabilitar seus pacientes. Ela quer os manter presos na instituição que dirige a ferro e fogo. Exerce o poder quase total sobre aqueles aos seus cuidados, incluindo seus subordinados. Não hesitará em restringir o acesso de seus pacientes aos medicamentos, colchões e necessidades humanas básicas. Seu maior sucesso é com Billy Bibbitt, de quem ela pode obter tudo o que ela quer saber, sob a ameaça de informar a mãe.

Almira Gulch / The Wicked Witch of the West / The Wicked Witch of the East (The Wizard of Oz, Margaret Hamilton)

Ela é a bruxa no Kansas que quer sacrificar o pobre cão de Dorothy e também é a bruxa em Oz. Não tem jeito: quem nasceu pra ser bruxa é bruxa em qualquer lugar!

Minnie Castevet (Rosemary's Baby, Ruth Gordon)

A vizinha de Rosemary é mais que uma simples senhora bisbilhoteira. Ela é uma feiticeira que assiste ao diabo e está lá para cuidar do filho dele.

Mrs. Robinson (The Graduate, Anne Bancroft)

O inexperiente Benjamin Braddock não sabe que não se deve enfurecer uma mulher ou trocar-lhe por outra e aprendeu isto da pior maneira.
“Mrs Robinson, you are trying to seduce me” foi uma frase que ficou para sempre não apenas na memória dele, mas de todos e depois que ele desejou sua filha ela só quis se vingar...

Sister Aloysius Beauvier (Doubt, Meryl Streep)

A madre superiora e diretora da escola usa a dúvida que percorre o filme para transformar a vida de várias pessoas. Nem ela mesmo tem absoluta certeza mas faz valer seus ideais custe o que custar até mesmo passando por cima dos desejos de uma mãe que quer apenas que o filho tenha uma boa educação.

Catherine Tramell (Basic Instinct, Sharon Stone)

Ela pode não ter sido esperta o bastante para esconder as provas já que é a principal suspeita do assassinato de seu amante, mas ela não se importa. Ela gosta de correr perigos, é fria o bastante para enganar qualquer detector de mentiras. Usa o sexo como arma, usa as pessoas e depois as joga fora.
Mas não usa calcinha.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Ele não revisa!

O entrevistado de hoje é uma das raras unanimidades da blogosfera. Todos que o conhecem rendem elogios fervoros e quem ainda não teve o prazer de conhecê-lo eu mesmo faço as honras, com vocês, Edu!

Serginho: Tudo bom?
Edu: Tudo e 'ocê?' Essa é a primeira pergunta da entrevista? 
Serginho: A entrevista será feita quando você puder... Pode agora?
Edu: Sei lá. Manda bala! Se a gente não gostar a gente faz outra!
Serginho: (risos) Então deixa eu me preparar!
Vamos lá, mas vamos do começo... Como surgiu sua vida na blogosfera? 
Edu: Eita, história completa? Bom, sempre gostei de escrever (mas sem pretensões literáááárias - algo mais no estilo "meu querido diário" mesmo). Antes mandava cartas pra um amigo. Unzinho. Aí apareceu Bichinho que mantinha anotações em agenda. Como tecnológico que sou, cacei algo parecido com "agenda na internet". Aí pimba! Em 01/01/2003 surgiu o Beliguedum (que descanse em paz!)
Serginho: E daí para o casado(i)s foi um pulo ou muita água rolou?
Edu: Beliguedum (mistura de BliG com Edu com Ziriguidum), Beliguedumdois, V.I.P., Marica Tú, Cansei de Maricas, Troca-Troca, Beijo, Casado(i)s e Pampublikong, isso dos que eu me lembro!
Serginho: De fato não foi um pulo e todos eles eram sobre o mesmo tema? Um diário?
Edu: A idéia principal sim, mas nem sempre a gente tem o que contar sobre o dia-a-dia e, também, às vezes baixa um outro tipo de ins-piração e saem umas coisas mais elaboradas (ou não). Acho que nenhum dos blogs tem um "tema" por assim dizer.
Serginho: Com tantos blogs assim e há tanto tempo na blogosfera deve ter feito muitos amigos...
Edu: Outro dia pensava sobre isso. Repostando umas coisas dos antigos no Pamp percebi que muita gente não continuou comigo pelos anos (e blogs). Mas uns gatos e gatas pingados continuam firmes e fortes, sim. É como na escola, né? A gente mantém amizade só com alguns daquela turma toda, à medida que os caminhos vão se separando. Mas não digo isso com tristeza: toda amizade é um presente e algumas amizades são passado, presente e futuro.
Um parêntese: quem não souber dizer Pampublikong pode chamar de Pocahontas! (risos)
Serginho: Ok. (risos) Você fala de sua vida pessoal de um jeito doce e divertido, mas não deixa de se expor, como lida com isto?
Edu: Já me expus até mais... Bichinho que me deu umas broncas. Mas lido com naturalidade, acho - se eu abri um blog foi justamente pra expôr. Se não eu ficava com um documento no Word. Tudo bem que por conta do receio de machucar envolvidos procuro nào mencionar nomes dos que não sabem do blog. Também não exponho tanto sobre o Bichinho como antes. A censura existe e às vezes ela é tristemente necessária. Por outro lado, por isso que criei um novo perfil no google somente relacionado ao blog. Assim, talvez, ninguém que não deva vai me achar.
Serginho: E o Bichinho virou um outro membro do blog mesmo que nunca escreva, estão há quanto tempo juntos?
Edu: Bichinho é de falar. Pelos cotovelos, joelhos e outros membros! Eu gosto de escrever - dá uma freada nos pensamentos alucinantes que atropelam a língua quando converso. Conheci o Bicho em 26-02-2000. São 10 anos, pois. Morando juntos são 1,5 ano.
Serginho: E o fato de manterem durante tanto tempo uma relação? Hoje em dia não é comum em nenhum tipo de relacionamento!
Edu: Talvez tenha uma parte de preguiça da minha parte, (risos), esse negócio de arrumar homem dá trabalho! Mas eu sempre quis algo assim mesmo - tanto que só dei meu primeiro beijo aos 22 e isso porque o Príncipe estava demorando demais pra aparecer! Talvez hoje, com menos ingenuidade e menos medo do "mundão gay" eu não reproduzisse tanto o modelo estabelecido nas novelas. Tenho tv a cabo e já assisti "Queer As Folk"! Talvez hoje eu fosse mais saidinho. Mas pra que mexer em time que está ganhando? E sinceramente acho que não é o meu perfil. Mas acho muito interessante a vida do Paulo (Faysano). Tipo meu alter-ego.
Serginho: E você meio que se tornou com isto um ícone para muitas pessoas que buscam um relacionamemto sério, maduro, existe algum segredo?
Edu: Quem, eu??? Jesus, não tô sabendo disso não! Mas sei lá, além de toda a parte do "respeitar e ser respeitado" tem muito a ver com encontrar alguém que seja compatível com (a maioria) seus gostos, ideais de vida, time de futebol. religião, ou seja, tudo que é importante pra você. E alguém que te instigue a rever esses conceitos menos importantes que sobraram.
(Notou que eu respondo de supetão, do mesmo jeito que escrevo? Revisão não é comigo!)
Serginho: Adoro a forma como vc escreve/fala...
Vamos voltar mais um pouco ao passado, o garoto que cantava a musica do café quando viajava ainda existe?
Edu: A música nunca saiu da minha vida. "Depois de um sonho ruim... a gente levanta... toma aquele tombo... e quebra os dentinhos! Na hora de tomar café, é Café Concreto... que a mamãe prepara... xingando os vizinhos!". Sou crianção, ainda vejo a vida com cores saturadas, ainda acredito no lado bom das pessoas, ainda tento fazer um condomínio virar uma família!
Serginho: Talvez por isto tenhas virado um ícone e todo mundo gosta de você (olha a rasgação de seeeeeeeeeeda)
Edu: Mas toda criança sabe ser cruel, não se iludam. Sempre com uma resposta afiada na ponta da língua ou do teclado...
Serginho: Sim, eu sei. (risos)
Edu: Aliás, tem cada Pequeno Monstro por aí, que noooossa!
Serginho: (risos)
Edu: Meu lado mal fez um relativo sucesso, quando eu xingava "As Vacas" (consultoras que vieram pra um projeto na Empresa, em 2005-6). Eram muito bruxas, eu as queria mortas, engasgadas pelos cafés horríveis da Starbucks!
Serginho: (gargalhadas) 
Eu nem posso falar do meu lado mal, mas imagine que meu alter-ego é Bette Davis.
Edu: Não precisa dizer mais nada, (risos) O meu é Darth Vader, mesmo. Até asma eu tenho!
Serginho: (mais gargalhadas) 
Falando em crianças, pensa em ter filhos?
Edu: Cara, adoro criança. Acho megablaster fantástico quando um gay se propõe e consegue se tornar um pai. Aliás, ser pai/mãe (gay ou não) é fato de admiração e respeito constantes. Claro que tem que não faça o trabalho direito, mas é outra história. Já me quis pai, mas não mais. Talvez mais pra frente. E adotando, que já tem gente demais no planeta.
Serginho: Correção, seu alter-ego é o Paulo Faysano esqueceu? E sua adolescência como foi?
Edu: Eu era um cdfzinho meio chato, certinho. "Sarei" no colegial (ensino médio, para as crianças que nos lerem). Mas sem grandes traumas, tinha vários amigos. Mas a batalha contra a ebulição dos hormônios eu travei sozinha. Ou com mais 1, sem sair do armário, naquelas cartas que falei. Escrevendo por metáforas (coisa de até 4 cartas por semana!).
Serginho: Você mencionou que deu o primeiro beijo aos 22 mas no fundo gostaria de ter sido mais levado, o que te prendia tanto? 
Edu: Não havia internet na época, eu não sabia como era o mundo gay, onde encontrar, o que fazer. Ou seja, preconceito. Seriam todos promíscuos? Seriam todos maus? Seriam todos caricatos que me exporiam pra minha família e eu seria expulso de casa? Talvez eu esteja exagerando aqui - a maior parte da trava foi pura timidez mesmo, e teria sido parecido com meninas. Mas o que quero dizer é que a internet proporciona um distanciamento que ajuda bastante nos primeiros contatos com o "desconhecido". Mas sim, eu fiz troca-troca um tempo e vivi paixonites agudas desde os 4 aninhos. E, o mais importante, nunca questionei a minha própria sexualidade nem a vi como algo mau, pecaminoso, impuro.
Serginho: Hoje se sente bem com sua sexualidade? E o que fez chegar a este ponto?
Edu: Apenas a mantive só pra mim, esperando o tal Príncipe que derrubaria todas as barreiras. Aí, de sacanagem, o Universo me deixou esperando pelo desgramado até eu não aguentar mais e atacar o colega de colegial sem paixão mesmo. 
O que me fez chegar a esse ponto foi o Lulu Santos. Considerar justa toda forma de amor. Tentar manter a cabeça e o coração abertos para a verdade de cada um, que é diferente da do próximo. Amar e deixar amar. Tem gente que ama mais de uma pessoa ao mesmo tempo, tem gente que trepa com mais de uma ao mesmo tempo, relacionamentos abertos, fechados, pulando a cerca... Cada um sabe de si, embora possamos dizer que alguns respeitam mais seus parceiros que outros. Mas cada um que viva e ame como lhe for mais verdadeiro, e que permita aos outros amarem do mesmo jeito.
Sobre a sexualidade propriamente dita... sempre achei que homossexual é a evolução final... Não dizem que os anjos não têm sexo? E os Espíritos? Ou seja, são todos iguais, homogêneos, homossexos. Faz parte da evolução saber lidar com o sexo oposto. Mas depois que a gente aprende, é hora de poder brincar sem maiores complicações.
Serginho: E sua família? Como lida com tudo isto? Pelo que diz no blog, existe uma boa aceitação, mas sempre foi assim? Como ou quando se assumiu?
Edu: Eu "fui assumido" pela minha Irmã, que respondeu um "sim" quando minha Mãe perguntou. Nunca fingi não ser gay, nunca inventei namoradas. E estava pronto pra responder se a pergunta viesse. Mas a Mãe, ótima cabeça, não lidou muito bem com o "outing" de outros membros da família (tá cheio de viado e sapata por aqui, risos). Teve todo um trabalho de conversa, de exposição homeopática à coisa toda, de ir na Parada Gay e mostrar que tudo era relativamente normal, apenas desconhecido. O grande susto do povo hétero é quando descobrem que é tudo a mesma merda! Mesmos problemas de relacionamento, mesmas picuinhas, mesmas frescuras... Quase uma decepção, pra eles, (risos)
"Cada um tem seu tempo". Mas a gente também adia demais o tempo de sair do armário por achar que sabe qual será a reação do outro. E sempre nos surpreende.
Serginho: E hoje em dia como vê seu tempo?
Edu: Não sou de guardar arrependimentos não. Tipo "ah... devia ter beijado antes...". O que aconteceu e como aconteceu foi o que deu pra eu fazer de melhor, então vivo muito bem com meus erros, acertos e atrasos. Mas, porra, devia ter beijado antes... Já o meu tempo "presente" está bem melhor, mais fácil, quase mais natural. As novas gerações estão fazendo um ótimo trabalho em termos de aceitação das diferentes sexualidades. O povo se agarra e se beija a torto e a direito, não importando muito se é homem, mulher ou cabrito.
Outro parênteses: Até a Igreja Católica faz sua parte, mostrando que é normal padres e coroinhas se amando... acho lindo, sempre quis transar com padre (mas não aguento a ladainha da missa)
Serginho: Você citou os padres, o que mais te deixava ligadao? Já sei que vc curte a velha guarda da Vai Vai e o que mais?
Edu: Tive muitas paixonites por "meu melhor amigo" do ano (o melhor amigo variou um pouco... um dos 5 aos 9, outro aos 10, outro aos 11...). Professores também tive uns muito lindos. Gosto de cara/jeito de homem, nada muito trabalhado em academia, uma coisa mais natural. Mas nada disso é regra, é só... um direcionamento, se tanto.
Mas se for pra escolher, fico com os ursos. Homens entre 40 e 90, corpulentos. Não necessariamente peludos ou barbudos.
Serginho: É muito assediado?
Edu: Não que eu saiba/perceba. Primeiro porque não frequentamos lugares onde o povo se sinta à vontade (nada contra baladas, boates, encontros - é preguiça mesmo - passou das 23h eu quero dormir!). e também estou na entressafra, né? Muito velho pros que gostam de meninos, muito novo pros que gostam de maduros. Sem falar que eu sou distraído feito uma barata sem antenas... Bichinho que "acusa" olhares em minha direção, mas eu sempre acho que ele tá louco. Ele sim é bastante assediado
Serginho: Mas e quanto ao blog? Nao é assediado lá?
Edu: No blog??? Deixa ver... Deixa ver... Acho que nunca rolou não. Às vezes um elogio, mas pode ser brincadeira ou sem segunda intenção. O povo respeita o namoro/casamento de que trato sempre por lá. Talvez meu blog seja chato, só com coisa do dia-a-dia... Nào falo de aventuras sexuais e esses trem.
Serginho: Seu blog não é chato assim como eu gosto de ler sobre suas aventuras do dia a dia muitos também gostam e muitos devem se sentir atraídos por isto. Eu não conseguiria escrever sobre isto porque não sou de falar de mim e quando falei deletei depois (risos). Além disto como escreve obviamente também diz muito (e ao mesmo tempo nao diz nada deixando a todos curiosos). Acho muito interessante!
Edu: Eu gosto de poder reler o que eu escrevi depois de uns anos. Muita coisa a gente esquece, se deixar só por conta da memória.
Serginho: É verdade... E sobre os blogs que lê, o que acha? Há muita exposição? Existe muita mentira na blogosfera? Alguns blogayros merecem serem convidados pra um chá?
Edu: Verdade n°. 1 - eu não sigo/leio ninguém pra retibuir favor. Só leio o que eu realmente gosto por um motivo ou outro. E gosto quando os blogs são pessoais - mais no sentido de me permitirem conhecer a pessoa do que "o que estou fazendo agora", se vc me entende. Eu sei que o que o pessoal expõe é uma fração de suas personalidades e suas vidas, mas sou bobo e acredito em tudo que escrevem. Eu convido todos os que eu leio para chá, café ou guaraná. Só álcool que não tem lá em casa, sorry 'bout that! Pra não ficar "olha como ele é imbecil/fofo/politicamentecorreto", teve um casal gay blogueiro que eu quis ver morto, esquecido no ostracismo internético. Passei a acompanhá-los por um tempo, tentar amizade (sabe, comentar os posts...), e o cara retribuiu por uns tempos, até que disse "olha, seu blog é muito chato e eu só vinha aqui pra retribuir mas agora suma". Só porque eu fiz um comentário com o próprio nome que eles se davam e ele achou que eu estava zoando. Morram envenenados com Baygon!
(Baygon = indireta aos "insetos" que remetem ao nome dos mancebos)
Serginho: Continuo nao sabendo quem são!
Edu: Nem deve!
(Neste momento Edu me conta quem são, mas ninguém merece ficar sabendo sobre certos insetos, vermes, bactérias ou protozoariso tem o destino que merecem!)
Serginho: Mas esquecendo esse povo pobre de espírito... Como foi parar na Dinamarca?
Edu: A Empresa em que eu trabalho é de lá e me convidaram pra trabalhar lá uns tempos dando suporte global ao sistema que usamos. Mas não fica em Copenhagen, nada de glamour, e eu nem sabia dirigir na época.
Serginho: E como foi a vida lá?
Edu: Sensacional. Fui sem saber cozinhar. Apenas observava Bichinho e Mamãe - aprendo muito só de olhar. Então foi uma bela e necessária experiência pra quem sempre teve tudo dado na mão. Mas sem estresse. Apenas que na primeira semana comprei mais potes de sorvete do que comeria em 2 meses e minha máquina de lavar gostava de ir pulando pra cozinha.
E era verão, sol se pondo depois das 23h... e de volta às 4h...Fiquei 4 meses. Era pra ficar 1 ano mas o cara que me substituiria na região Américas desistiu. E como eu estava com saudade do Bichinho, o verão estava acabando e o Bin Laden tacando avião em prédios... Topei de muito bom grado encurtar a temporada. Final de maio de 2001 a 18 de setembro de 2001. Já tinha passagem comprada quando aconteceu o 9-11 mas só serviu pra confirmar (e pra dar medo de não conseguir voar pra casa - conexão em Londres).
Serginho: E o que o Edu vê e ouve? Ainda perdido em Lost?
Edu: Sempre perdido em Lost, que só passei a acompanhar por causa do Santorinho (não é meu tipo de homem, mas é muito gente boa e torço pelo sucesso dele). Nerd que só, adoro Battlestar Galactica (o Melhor Seriado do Muuuundo!), Big Bang Theory, Fringe, 2 and a 1/2 men, Seinfeld, According to Jim... No Grooveshark*, rolam... Coldplay, Mika, Paula Toller, Glee (adoooro - esqueci na parte do "ver"), Peter Gabriel, Phil Collins, Pink, Queen, Ricky Martin, Linkin Park, Legião, Lucio Dalla, Robbie Williams. E ando me abrindo às sugestões dos amigos. Somglass, Arctic Monkeys, Goldfrapp...
Serginho: Olhando pra sua vida antes o que observa nela agora? E o que espera do futuro? Faz planos?
Edu: Vejo que fiz boas escolhas. Nunca saberei se fiz as melhores escolhas ou as escolhas corretas. Mas escolhas que me tornaram quem eu sou hoje, mais aberto, mais relaxado, menos cri-cri. Vejo que aprendi a ser um pouco mau (sabe aquela propaganda que dizia "cheeeega de tudo bem!!!"? Pois é...), a gritar quando me pisam no calo e que dizer "não" é saudável! Ninguém dá valor a quem só fala "sim".
Pro futuro espero continuar nesse rumo, aprendendo a dizer não sem magoar. Aprendendo a dar mais valor pra o que EU quero sem fazer tempestade em copo d'água pra pequenas coisas. Ceder também é saudável.
Serginho: E se pudesse se auto definir como faria? Se neste momento fosse seu alter ego, o que diria do Edu?
Edu: Meu alter ego diria: "queria ser o Edu... e eu diria "queria ser meu alter ego"... ?! Acho que sou um cara legal. Nem demais, nem de menos. Comum, ordinário, mas que gosta verdadeiramente das pessoas. Alguém feijão com arroz (acompanhado de polenghinho com geléia de pimenta). Sou uma delicia e dou sustança!
Serginho: Edu entrevistar, ou melhor, conversar com você foi um grande prazer, qual sua mensagem pros fãs?
Edu: Vamos ver se seus leitores também. Serei espinafrado! (risos e mais risos) Fãs! Façam o que eu digo mas não queiram saber o que eu faço reeeeeeealmente... Tem muito caroço debaixo deste angu. Me amem, me idolatrem, me dêem dinheiro que eu preciso quitar um mega-financiamento, Jesus!
Ou... antes de falar do cisco no olho do vizinho, vejam a trave no próprio olho. Ou... eu sou o caminho, a verdade e ai de quem discordar!
E espero não ter decepcionado muito...Mas foi você que pediu! 

*Grooveshark = site que faz streaming de música, não precisa baixar nada, nem carregar mp3 pra lá e pra cá.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Amizade é...

"A amizade é um comércio desinteressado entre semelhantes." (Oliver Goldsmith)
"Talvez as melhores amizades sejam aquelas em que haja muita discussão, muita disputa e mesmo assim muito afeto." (George Eliot)
"Amigos são como sutiãs: perto de seu coração e lá para apoiar". (Autor desconhecido)
"As pessoas realmente ligadas não precisam de ligação física. Quando se reencontram, mesmo depois de muitos anos afastados, sua amizade é tão forte quanto sempre." (Deng Ming-Dao)
"Nunca é largo o caminho que conduz à casa de um amigo." (Juvenal)
"Só existe uma coisa melhor do que fazer novos amigos: conservar os velhos." (Elmer G. Letterman)
"A confidência corrompe a amizade, muito contato a consome, o respeito a conserva." (Cícero)
"Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio ou atrapalha seu crescimento." (Alice Walker)
"Amizades são coisas frágeis, e requerem muito mais cuidado que todas as outras coisas frágeis que existem." (Randolph S. Bourne)
"Uma das alegrias da amizade é saber em quem confiar." (Alessandro Manzoni)
"A amizade começa quando, estando juntas, duas pessoas podem permanecer em silêncio sem se sentir constrangidas." (Tyson Gentry)
"O amigo tem que ser como o dinheiro, que antes de necessitá-lo, sabe-se o valor que têm." (Sócrates)
"Um amigo verdadeiro não te visitará na prosperidade a menos que o convides; mas quando estás na adversidade, visitar-te-á sem ser convidado." (Autor desconhecido)
"As amizades reatadas requerem maiores cuidados que aquelas que nunca foram rompidas." (François de La Rochefoucauld)
"Para encontrar um amigo, devemos fechar um olho. Para conserva-lo, devemos fechar os dois." (Norman Douglas).
"É mais seguro reconciliar-te com um inimigo do que derrotá-lo. A derrota pode priva-lo de seu veneno; mas a reconciliação o privará de sua vontade de prejudicar." (Owen Feltcham)
"Quando a voz de um inimigo acusa, o silêncio de um amigo condena." (Ana de Austria)
"Nada aproxima tanto dois amigos um do outro quanto o fato de terem um inimigo comum." (Frankfort Moore)
"Em vez de amar teus inimigos, trata teus amigos um pouco melhor." (Ed Howe)
"O amor é a única força capaz de transformar um inimigo num amigo." (Martin Luther King)
"Amigo é quem te socorre, não quem tem pena de ti." (Thomas Fuller)
"Raros são os homens dotados de bastante caráter para se regozijarem com os sucessos de um amigo sem uma sombra de inveja." (Ésquilo)
"O distintivo do amigo é ser amigo do amigo do seu amigo e inimigo do inimigo do seu amigo." (Ibn Al-Mukafa)
"Viver sem amigos é como tentar tirar leite de um urso para o café da manhã. Dá muito trabalho e não vale à pena." (Zora Neale Hurston)
"O amigo não é aquele que nos faz algum bem, mas aquele que está sempre e em toda parte junto conosco." (Autor desconhecido)
"A amizade nasce no momento em que uma pessoa diz para outra: “O quê? Você também? Pensei que eu fosse o único!” (Autor desconhecido)
"A única maneira de ter um amigo é sendo um." (Ralph Waldo Emerson)
"Amizade é como música: duas cordas afinadas no mesmo tom vibram juntas." (Autor desconhecido)
"O verbo “amar” em persa tem o mesmo significado que “ser amigo”. “Eu te amo” traduzido literalmente é “te considero um amigo” e “eu não gosto de você” simplesmente quer dizer “não te considero um amigo”." (Susha Guppy)
"Todos querem ter amigos mas ninguém quer ser." (Denis Diderot)
"Amigo: alguém que sabe de tudo a teu respeito e gosta de ti assim mesmo." (Elbert Hubbard)



Post dedicado aos meus amigos! Graças a Deus, são muitos!

quinta-feira, 18 de março de 2010

Ai, tem dó!

Deu no Uol ontem:

Liam Gallagher resolveu vestir mulheres depois de criar a marca masculina Pretty Green, enquanto isso no Brasil oficina escraviza imigrantes. Foram encontradas 16 bolivianos (um deles com menos de 18 anos) e um jovem peruano trabalhando em condições análogas à escravidão na fabricação de roupas femininas. Entre elas, peças com etiquetas da Marisa. De mulher pra mulher?
Björk e diretor Michel Gondry vão trabalhar juntos em filme. Ele disse que o projeto é muito ambicioso, "um musical científico, de 40 minutos para salas em 3D". Avatar2?
Antonio Banderas é nomeado Embaixador da Boa Vontade de programa da ONU. Além de Banderas, também são Embaixadores os jogadores Ronaldo e Zidane. Agora ele tira aquela barba horrenda?
Calvície precoce pode indicar menor risco de câncer de próstata.
Mulheres morrem mais de crises cardíacas, diz estudo francês divulgado na terça-feira nos Estados Unidos.
Haiti reivindica direito de administrar recursos doados. Passaram anos sem saber administrar nada e agora depois de terem perdido tudo querem administrar mais o que?
No Rio manifestantes lotam a Cinelândia, centro da cidade, para protestar contra a emenda Ibsen, que modifica a distribuição de royalties do pré-sal e desfavorece Estados e municípios produtores. Achei justo e digno, mas gostaria de saber se fariam algo assim para aprovarem o casamento gay...
Anyway por aqui estão mesmo mais preocupados com outras coisas, veterinárias lançam sorvetes para cães.
Elis Regina fez aniversário ontem. Pessoas como ela nunca morrem. Transcendem.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Não desperdice seus sentimentos

Ele julgava ter uma vida infeliz.
Era tímido e não conseguia se relacionar com as pessoas. A vida no colégio não estava sendo fácil. Era o alvo preferido das piores piadas e brincadeiras de mau gosto. Em sua casa as coisas também não eram as mais felizes. O pai, um alcoólatra inveterado, achava que o jeito esquisito do filho era culpa da mãe e esta preferia não dizer nada e aguentar calada as constantes surras do marido.
Dividia o quarto com dois irmãos mais velhos e grosseirões, que costumavam lhe bater. A irmã mais nova era sua única amiga, mesmo tendo falecido há alguns anos ele não deixava de falar com ela.
Uma sala de informática inaugurara no colégio e ele nem imaginou que aquilo seria o começo de uma nova vida a descobrir a internet. Ali percebeu que sua vida podia ser diferente. Um dia em uma sala de bate-papo criou um personagem com nome e sobrenome e depois disto vieram falsos perfis no Orkut, Facebook, MSN, Twitter. Fez um blog. Criou uma vida que não era a dele, mas ele começou a achar que era. Pessoas começaram a se apaixonar por ele. Queriam ser como ele. Pessoas reais e não personagens. Para muitos se transformou em um ícone a ser copiado.
Com o tempo as coisas começaram a tomar um rumo inesperado. Ele perdeu o controle da vida que criara e cometeu um grande erro. De repente ele se apaixonara por uma daquelas pessoas que o visitava constantemente. E aquele amor parecia recíproco. Pela primeira vez parecia feliz.
Meses depois de muita insistência ele marcara um encontro. Não sabia como seria, afinal ele não era a pessoa das fotos e não tinha sequer a mesma atitude, mas estava apaixonado e sabia que era correspondido, portanto seu amor não se importaria com algumas mentiras.
O local marcado era uma praça perto do colégio no fim da tarde. Ele estava ansioso. Chegou um pouco antes da hora marcada. Não sabia o que dizer quando o visse. Algumas pessoas passeavam por ali, mães com seus filhos, pessoas na parada do ônibus, mas nenhum que se parecesse com Felipe, sim era este o nome dele. Havia já algum tempo um homem sentado em um dos bancos que constantemente o fitava, mas era mais velho e não correspondia a quem esperava. O tempo ia correndo e ele mais nervoso ficava. Não havia passado muito, só que quando esperamos algo, 10 minutos se parecem com dez horas. Ali perto podia ver uns rapazes do colégio que conversavam, chegou a ouvir que discutiam por causa de uma bola de futebol perdida. O mais alto, um ruivo cheio de sardas dizia que não sabia onde ela estaria. Seria um deles? Não, não pareciam ser... O tempo ia passando e ele começou a achar que Felipe não viria mais. Estava distraído e não percebeu que o homem que o observava do banco próximo sentara ao seu lado.
- Esperando alguém?
- Um amigo (a voz saiu baixinha, quase inaudível)
- Como seria este amigo? Não pode ser eu?
(pausa)
- Não, não pode.
- Ainda acha que ele vem?
- Não sei (ele não olhava para seu interlocutor e sim para o vazio)
- Porque não segues comigo até aqui perto? Podíamos ir conversando... Seu amigo nem deve vir mais e se aparecer deve julgar que você cansou de esperá-lo. Vamos?
Ele hesitou, mas o homem não precisou fazer muito para convencê-lo a ir até um terreno baldio onde fizeram sexo. No fim, Caio sentiu-se sujo.
- Não gostou?
- Sim... gostei! (mentiu)
- Sei que não gostou!
- Não, não... Eu gostei! (quase chorando)
O homem riu e o esmurrou. O golpe fora violento o suficiente para atirar o garoto ao chão. Começou a receber seguidos golpes em seu rosto. Tentou gritar, mas sua voz foi abafada com duas mãos grandes e grossas em seu pescoço. O homem o xingava repetidas vezes dizendo que ele nunca mais sentiria nojo dele.
Parecia uma eternidade, mas o tempo é sempre cruel, não demorou muito, o corpo de Caio jazia em um terreno baldio. Fora encontrado por um garoto ruivo e sardento que estivera ali para buscar uma bola de futebol perdida...
Seu assassino nunca fora encontrado, mas costuma entrar na internet usando o mesmo nome falso: Felipe.

(Esta é uma obra de ficção, mas pode ser real. Existem muitos Caios e Felipes por ai. Fiquem atentos.)

terça-feira, 9 de março de 2010

Ordem, Progresso e Justiça

Mário Kosel Filho nasceu em 6 de julho de 1949, em São Paulo. Era filho de Mário Kosel e Therezinha Vera Kosel. Fazia parte do Grupo Juventude, Amor, Fraternidade, organizado pelo Padre Silveira, da Paróquia Nossa Senhora da Aparecida, no bairro de Indianápolis, juntamente com mais de 30 jovens. O símbolo do grupo, ironicamente idealizado por Mário, era uma rosa e um violão. Por ser muito prestativo e preocupado em ajudar as pessoas, principalmente crianças e necessitados, foi apelidado de Kuka, pelos demais participantes do grupo.
Mário estava com 19 anos e prestava o serviço militar. Estava incorporado na 5ª Cia. de Fuzileiros do 2º Batalhão, no 4º Regimento de Infantaria Raposo Tavares, em Quitaúna.
Na madrugada de 26 de junho de 1968 estava no quartel, em serviço, quando ouviu um tiro, disparado pelo soldado Rufino, que fazia a guarda externa do quartel. Saiu para ver o que se passava e foi informado pelo soldado Rufino que o tiro foi para cima, para advertir um automóvel que, em alta velocidade, rompeu a barreira da área proibida ao tráfego de veículos. O motorista do automóvel deve ter se assustado e colidiu com um poste. Mário, preocupado em ajudar possíveis feridos, foi até o mesmo. Ao se aproximar do automóvel, um outro passa pelo local e seus ocupantes lançam uma bomba de grande poder destrutivo.
Mário teve morte instantânea, pedaços de seu corpo foram lançados em todas as direções.
Um dos ocupantes do segundo automóvel era Dilma Rousseff, candidata a presidência, apoiada pelo próprio chefe de estado.

O Brasil não é um país sério. Onde está a justiça? A ordem? O progresso? O lema do país deveria ser seguido por todos e não apenas uma frase posta para enfeitar a bandeira.
É este país que queremos construir? Pensem nisto!
(Texto anteriormente apresentado no blog do Do)

segunda-feira, 8 de março de 2010

Resumo da ópera

Considerações à parte a cerimônia foi fraca. Steve Martin e Alec Baldwin fizeram um bom trabalho, mas a organização pecou ao cortarem as canções indicadas e o prêmio pelo conjunto da obra às lendas do cinema também. O mesmo havia sido entregue meses então passaram um breve resumo. Talvez quisessem dar ritmo a festa, mas foi triste a forma como foi exibido. Algo do tipo: "Ok vocês não servem mais pra nós depois de anos de glória!". Enfim a noite foi mesma dos jovens astros, de Crepúsculo a Hannah Montana todos estiveram presentes. E muito bem vestidos por sinal. Cansativa a homenagem aos atores indicados, mas arrepiante a homenagem a John Hughes. Adorei rever Molly Ringwald, Macaulay Culkin, Ally Sheed, Judd Nelson...
Também marcaram presença Keanu Reeves, Sarah Jessica Parker, Tom Ford, Demi Moore (lindíssima), James Taylor cantando uma música fraquinha na homenagem in memorian que cometeu o erro de não exibir a  imagem da Farrah Fawcett,. O porque eu não sei!
Quanto aos prêmios, Davi venceu Golias. "The Hurt Locker" venceu "Avatar" e pela primeira vez na história uma mulher vence como melhor realização. Barbra Streisand teve a honra de entregar a Kathryn Bigelow o prêmio que tirou de James "Eu-tenho-um-ego-imenso" Cameron. O diretor que aliás estava parecendo mais um vilão de desenhos animados ficou a ver navios e teve que engolir sua ex (deslumbrante) ir receber os prêmios merecidos! A Academia  com isto deixou claro sua preferência com relação ao futuro do cinema. Eles disseram: "Não, não queremos mais este blockbuster como melhor filme! Queremos filmes com histórias que possam fazer a diferença no futuro e este futuro pode ser outro!" Avatar já é um filme visto por demais e não precisa de mais nada. Achei justo e digno. E feliz dia da mulher!
Quanto aos atores, nenhuma surpresa. Christoph Waltz, Mo'Nique, Jeff Bridges e Sandra Bullock foram os premiados. Não posso deixar de comentar que enfim Sandra acertara em um vestido depois de péssimas escolhas recentes, mas não posso dizer o mesmo de Meryl Streep (branco?).
Supresa mesmo ficou com o Oscar de filme estrangeiro. Nossos vizinhos argentinos levaram esta deixando pra trás o favorito alemão com "El secreto de sus ojos".
Outra surpresa foi o ator Ben Stiller fantasiado de Na'vi em um momento sui generis.
Porém nada pior mesmo que as transmissões no Brasil, enquanto a Globo exibe a cerimônia atrasada a TNT tem os estúpidos comentários de Rubens Ewald Filho. Minha sugestão? Mandem o Wilker pra TNT e aposentem o outro que não faz a mínima falta!

domingo, 7 de março de 2010

Road to the Oscars: Academy Awards!

Como todos sabem, ou devem saber, hoje acontece mais uma cerimônia de entrega do Oscar. Este ano os organizadores resolveram voltar ao passado e não apenas cinco filmes estão indicados mas dez. O fato é que os favoritos são apenas dois, "Avatar" de James Cameron e "The Hurt Locker" de Kathryn Bigelow que pra quem não sabe foi casada com o diretor de "Titanic". O próprio James Cameron andou dizendo que Kathryn merece o prêmio de melhor direção então só nos resta aguardar. Quanto aos atores as coisas estão um tanto definidas a não ser que grandes surpresas aconteçam. Mo'Nique deve ser mesmo a melhor atriz coadjuvante por "Precious" e Christoph Waltz o melhor ator coadjuvante por "Inglourious Basterds". O grande favorito ao prêmio de melhor ator principal é Jeff Bridges por "Crazy Heart" que parece deixou de representar a si mesmo, entretanto não podemos subestimar a força de seus oponentes: Morgan Freeman por "Invictus", George Clooney por "Up in the Air", Colin Firth por "A Single Man" e Jeremy Renner por "The Hurt Locker". Já o prêmio de melhor atriz está nas mãos da Miss Simpatia Sandra Bullock por "The Blind Side", que enfrenta as veteranas Meryl Streep - que deveria logo ganhar um prêmio pelo conjunto da obra ou ser eleita hours concours - por "Julie & Julia" e Helen Mirren por "The Last Station", além das novatas Gabourey Sidibe por "Precious" e Carey Mulligan por "An Education"

sábado, 6 de março de 2010

There's no business like show business

Amanhã acontece a seilágésima entrega do Oscar e resolvei escrever sobre coisas que sei e lembro-me desta festa que é o mais importante prêmio da indústria cinematográfica e isto todo mundo sabe e concorda. Porém não é dado a ser justo afinal nem a vida é justa, é apenas bela e o Oscar tem colecionado injustiças desde muito tempo.
Por exemplo, na categoria de melhor ator, o caso de Clark Gable que perdeu Oscar por "Gone with the Wind". Ele havia ganhado anos antes por "It Happened One Night", mas a sua forte interpretação de Rhett Butler acabou sendo deixada de lado. No caso das atrizes temos Glen Close que perdeu em dois grandes momentos - Fatal Attraction e Dangerous Liaisons - e Fernanda Montenegro que perdeu para Gwyneth Paltrow de "Shakespeare in Love".
Entre os diretores, Martin Scorsese teve que esperar anos para ganhar um. Ele sequer foi indicado por "Alice Doesn't Live Here Anymore", viu seu "Taxi Driver" perder para "Rocky" e "Raging Bull" perder para "Ordinary People". Outro diretor injustiçado foi Francis Ford Coppola que não viu seu Apocalypse Now ganhar. O realizador havia ganhado antes pela saga "The Godfather" e talvez achassem que ele já estaria bem premiado. De qualquer forma a Academia estava na onda dos dramas familiares e "Kramer VS Kramer" ganhou o Oscar de melhor filme em detrimento da grande obra de Coppola.
Todavia em se tratando de injustiças é pesaroso saber que lendas do cinema como Gretta Garbo, Marylin Monroe, Montgomery Clift, Alfred Hitchcock, Marlene Dietrich, Fred Astaire, Gene Kelly, Rita Hayworth, Deborah Kerr, Jean Harlow, Ava Gardner, Steve McQueen, Robert Mitchum, Leslie Howard, Cyd Charisse, Edward G. Robinson, Buster Keaton, Peter Sellers, Lilian Gish e Mae West nunca ganharam um Oscar. Alguns destes chegaram a ser nomeados, outros nem isso, alguns ganharam prêmios de consolação pelo conjunto da obra, mas nenhum destes venceram por seus desempenhos de fato. 
Lastimável!
Há também o curioso caso de Orson Welles. Em 1941 lançou sua obra prima, o polêmico "Citizen Kane", considerado por toda a crítica especializada o melhor filme já feito devido as inovaçõs técnicas e criativas que ele impôs. Entretanto recebeu apenas um único prêmio, melhor roteiro, e nem foi indicado para melhor filme.
Mas não apenas de injustiças se faz uma cerimônia do Oscar, surpresas também e elas são sempre bem vindas. Como quando Hattie McDaniel se tornou a primeira negra a vencer; "Chariots of Fire" virou de azarão a campeão; Juliette Binoche que tirou de Lauren Bacal o Oscar de melhor atriz coadjuvante.
Algumas vezes o famoso prêmio ajuda a afundar ou levantar carreiras. No primeiro caso temos Timothy Hutton que depois de vencer como coadjuvante em "Ordinary People" não fez nada muito relevante nos anos seguintes; Marisa Tomei ao vencer por "My Cousin Vinny" acabou sendo perseguida e só retomou ao sucesso de público e crítica mais recentemente. No segundo caso temos, por exemplo, Kim Basinger que de nunca era vista como atriz, estava em baixa e depois do Oscar por "L.A Confidential" voltou ao estrelato.
Alguns devem agradecer por não terem ganhado. Tudo tem seu tempo e o caso mais famoso é o de Tom Hanks que não venceu por "Big" e deixou de ser apenas mais um comediante carismático para ser tornar o que é hoje anos depois ao vencer por "Philadelphia" e "Forrest Gump" e levar seu nome a estratosfera.
Fatos polêmicos também dão o tom da premiação. A atriz Wendy Hiller nem foi à festa, mas mandou a estatueta de melhor coadjuvante por "Separate Tables" às favas porque o que queria mesmo era o dinheiro que podia advir da premiação; Marlon Brando recusou receber seu segundo Oscar e mandou uma índia fajuta em seu lugar; Michael Moore com seu discurso anti Bush levou a platéia as vaias e aplausos; Elia Kazan dividiu o público em prós e contras devido sua carreira e vida pessoal.
Porém apuro passou mesmo o britânico David Niven em dois momentos. Na primeira vez ao receber o Oscar quase tropeçou e caiu em pleno palco e na segunda enquanto apresentava a cerimônia um homem nu surgiu de repente correndo pelo palco.
Mas não podemos esquecer os momentos engraçados segundo contava Dulce Damasceno de Brito na Set. Um deles, dizia, foi quando Jerry Lewis ao apresentar a festa teve que se virar em mil já que a emissora que exibia o prêmio mandou estender o tempo em mais vinte minutos. Jerry regeu orquestra, tocou pistão e a NBC cortou tudo exibindo um documentário. Falando em apresentadores dos que tenha visto, até hoje nenhum foi pior que David Letterman que transformou a cerimônia numa extensão de seu talk show.
No meio de injustiças, polêmicas, fatos engraçados e chatos têm-se o caso daqueles que menosprezaram a cerimônia como Katherine Hepburn. A atriz nunca foi receber nenhum dos seus quatro prêmios e só compareceu uma única vez à festa para homenagear um amigo.
Charles Chaplin segundo um de seus filhos usava o Oscar honorário que tinha ganhado pra segurar a porta. Seu tipo de vida e sua conduta irascível incomodavam os membros da Academia que ignoraram grandes trabalhos do gênio como "City Lights", "Modern Times", "The Great Dictator" e "Limelight". Este último por sinal nunca foi exibido em Los Angeles na época, sendo então lançado vinte anos depois o que lhe rendeu um Oscar para sua trilha sonora composta por sinal pelo próprio Chaplin. Em 1972 volta aos Estados Unidos depois de anos de exílio para receber um prêmio pelo efeito incalculável que ele teve em tornar os filmes a forma de arte deste século. A ovação recebida durou cinco minutos e entrou pra história do Oscar como um dos mais emocionates momentos.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Mais e Menos

O engajadíssimo Marcos Freitas é o moço da Brainstorm de hoje. Vamos conferir então o que ele mais gosta e o que ele menos gosta.

As dez mais::

Minha família, apesar das brigas;
Um amor para compartilhar a vida;
Uma boa música que me lembre bons momentos;
Sair de balada e esquecer da vida;
Ler um livro num fôlego só;
Fazer musculação;
Uma boa noite de chuva para dormir;
Filosofar com amigos até dar sono;
Dirigir na chuva;
Beijar até a outra parte recuar.

As dez menos:

Pessoas falsas e vazias;
Individualismo num relacionamento;
Qualquer tipo de homofobia;
Correntes e spans;
Paquera on line;
Falta de vontade de blogar;
Balada cheia ou balada vazia;
Despedidas permanentes;
Cravo e canela;
Pessoas indecisas.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Sinais



Chile, Haiti, Ilha da Madeira. 
A Terra está dando os sinais. Você consegue os entender?

terça-feira, 2 de março de 2010

Jennifer Jones

Um dos maiores nomes do cinema. Se estivesse viva estaria fazendo 91 anos hoje. Seu verdadeiro nome era Phylis Lee Isley. Assinou um contratro de sete anos com o mega produtor David O. Selznick, o mesmo de "Gone With the Wind" que a escolheu depois que a viu chorar por achar que tinha perdido um papel em um teste que ele realizara. Foi preparada para ser uma estrela. O diretor Henry King ficou impressionado com sua força e a escolheu para viver Bernadette Soubirous em "The Song of Bernadette" que lhe rendeu o Oscar de melhor atriz em seu primeiro grande papel no cinema. A partir dai fez uma bem sucedida carreira cinematográfica nos mais variados personagens como  "Duel in the Su," "Love Is a Many-Splendored Thing", "A Farewell to Arms "e "The Towering Inferno", por sinal seu último filme ao lado de Fred Astaire.
Sua vida pessoal no entanto foi bem conturbada. Enquanto ainda era casada com Robert Walker iniciou um relacionamento com  Selznick. Se separou do primeiro marido que falecera jovem (aos 32 anos) devido a problemas respiratórios. Ela não compareceu ao funeral, nem os filhos que tivera com ele.
Casou com David. O. Selznick e ficou com o produtor até ele falecer em 1965. Tentou se suicidar em 1967 ficando em coma algum tempo, mas se recuperou. A filha que teve com David se matou anos depois.
Em 1971 se casou com o multimilionário Norton Simon cujo filho também cometera suicídio em 1969. Norton morreu em 1993. Foi sobrevivente do câncer de mama e depois da morte da filha se interessou por questões relacionadas à saúde mental. Raramente dava entrevistas e aparecia em público. Uma das últimas vezes esteve presente a cerimônia do Oscar de 1998 ao lado de outros grandes astros premiados. Estava belíssima.
Morreu de causas naturais no fim do ano passado.
Uma verdadeira estrela.

segunda-feira, 1 de março de 2010

O que dizer?

Gerard Butler quer comprar casa no Rio, Madonna dá uma luz na carreira de Jesus, nova novela do SBT estreia hoje e o ibope determinará seu tempo no ar, Boy George adere a campanha contra o homofóbico do BBB, Rita Lee acha o reality show do Boninho chato e quer abrir uma igreja...
Depois do terremoto que devastou o Chile, qualquer notícia pop descartável é descartável.